Resenha: Obsidiana - Jennifer L. Armentrout

Autor: ARMENTROUT, JENNIFER L
Tradutor: POHLMAN, CAMILA
Idioma: PORTUGUÊS
Editora: VALENTINA
Assunto: Romances
Edição: 1
Ano de Edição: 2015
Ano: 2015
Pontuação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥



Sinopse: Começar de novo é um saco. Quando a gente se mudou para o interior, bem no início do último ano do colégio, eu já vinha me preparando para o sotaque caipira, o tédio, a internet lenta e um monte de chatices... Até dar de cara com o meu vizinho gato, alto de dar tontura e com intimidantes olhos verdes. Hummm... os prognósticos estavam melhorando. Até que... ele abriu a boca. Daemon é irritante. Arrogante. Dá vontade de matar. A gente não se dá bem. Não mesmo. Mas, quando um caminhão quase me transforma em panqueca, o garoto literalmente congela o tempo com um aceno de mão e aí, bom, algo inesperado acontece. O alien gato (meu vizinho) me deixa com um rastro. Você me ouviu bem. ALIEN! A verdade é que ele e a irmã têm uma galáxia de inimigos que querem roubar seus poderes. O rastro que deixou em mim brilha como lua cheia, e isso não é nada bom. O único jeito de sair viva dessa é ficar colada em Deamon, até a magia alienígena desaparecer. Quer dizer, isso se eu não matar o cara primeiro.

Katy e a mãe se mudam para uma pequena cidade em West Virginia. A cidade é tão, mas tão pequena que para pegar a correspondência ou fazer compras é necessário ir a cidade vizinha que é um pouco maior. Como a própria Katy diz a cidade: "é esquecida por Deus!" Em sua rua existem apenas duas casas, sinal de internet e telefone é praticamente um fenômeno.

“Não fui capaz de atualizar meu blog de resenhas desde que cheguei aqui, era como perder um braço ou uma perna. De acordo com minha mãe, ‘A Louca Obsessão de Katy’ era minha vida inteira. Não completamente, mas era importante para mim. Ela não aprecia os livros da mesma forma que eu.”- Katy. 

O motivo pelo qual as duas se mudaram para esse fim de mundo, é que há três anos o pai de Katy faleceu de câncer, e por mais que elas tentassem continuar a levar a vida que tinham na antiga cidade, era difícil conviver com as lembranças diárias do pai. Sendo assim, resolveram começar de novo e bem longe de onde viviam. A mãe de Katy trabalha como enfermeira em dois hospitais diferentes e quando está em casa é apenas para dormir, mas não abre mão de sempre conversar com a filha.

Katy é madura e responsável o suficiente para que sua mãe passe tanto tempo fora de casa sem se preocupar. Sua maior preocupação com a filha é que ela se feche e não faça amigos, assim faz questão de comentar que elas têm um vizinho muito charmoso e que aparenta ter a mesma idade de Katy, e pede que a menina tente fazer amizade com o rapaz. Para não desagradar à mãe ela promete que irá tentar. (Quem dera minha mãe fosse assim!)

Quando se torna necessário ir às compras, e Katy não sabe onde fica o mercado mais próximo, ela usa isso como pretexto para se apresentar ao vizinho. No momento em que a porta da casa vizinha é aberta ela se depara com um belo monumento masculino, com um largo e bronzeado peito desnudo, a calça pendendo nos quadris revelando um caminho de pelinhos, que deveria se chamar High Way to Hell, e ao subir o olhar ela encontra um lindo par de olhos muito verdes.


“Seu estômago era plano. Perfeito. Convidando a toca ló. Não era o tipo de estômago que eu esperava de um garoto de dezessete anos, o que me faz supor que é mais velho, mas se é assim, eu não estou me queixando. Eu não estava falando. Eu apenas o olhava.”- Katy. 

A distração da menina é tanta que ela nem percebe o momento em que ele fala com ela, apenas quando ele de forma nada agradável chama sua atenção perguntando se ela sabe falar, que Katy volta a si e percebe que aquele talvez não seja um bom momento para falar com o cara. Ela tenta se desculpar e explicar o motivo de ela bater a sua porta, porém “o criatura” continua sendo um grosso, mesmo assim lhe da as direções para o mercado.

“-Sabe, tudo o que eu queria eram direções. É óbvio que eu vim em um mau momento. Um lado de seus lábios se curvou.
- Qualquer momento que batas a minha porta será um mau momento, garotinha.” - Katy e Daemon.

Sentindo-se humilhada e irada, e ainda se perguntando que tipo de pessoa destrata tanto a alguém que mal acabou de conhecer, Katy segue as direções do bruto do vizinho. Chegando ao mercado ela se concentra nas compras, e se assusta quando uma bela e extrovertida garota aproxima-se dela. As duas logo começam a conversar e a garota apresenta-se como Dee Black, irmã gêmea de Daemon Black – o idiota do vizinho!- de cara as duas se dão super bem e Katy percebe que a menina e o irmão não têm nada em comum além da bela aparência.

Logo Dee e Katy se tornam amigas, o que deixa Daemon frustrado. Ele faz questão de mostrar quão insatisfeito está com a amizade das duas, mas elas não dão ouvidos ao gêmeo do mal.

“-São nossos amigos. São como você. Não necessita ser amiga de alguém... Alguém como ela.”

Quanto mais Katy convive com os irmãos, mais ela percebe que há algo errado com eles. Em uma noite Daemon a chama para conversarem e vão para a floresta que fica próxima as casas deles. E a conversa transforma-se em uma forte discussão. Frustrada e chateada com as coisas que o vizinho ogro disse a ela, Katy começa a correr pela floresta até chegar à rua, sem perceber que um caminhão imenso vinha em sua direção e seria uma morte certa se Daemon não parasse o tempo impedindo o caminhão de esmagá- la. Sim, ele para o tempo! (se bem que, com a beleza e o gênio dele, ele para o trânsito, o tempo e que mais ele quiser rsrs). Após o momento de choque inicial, Katy percebe o que aconteceu, ou melhor, o que não aconteceu. E ao olhar para Daemon este está brilhando forte como uma superlâmpada. Assustada, ela começa a correr novamente, mas é alcançada pelo rapaz e depois de um breve momento de histeria, ela se acalma e deixa que ele se explique. (Fiquem calmos não é spoiler, a própria sinopse revela esse detalhe).


“– Por que você tinha que se dirigir até o caminho daquele caminhão? - perguntou, porém não esperou por uma resposta -. Fiz o impossível para te manter fora disso, mas você tinha que vir e arruinar todo o meu duro trabalho.”

Daemon lhe conta que ele, a irmã e algumas pessoas da cidade e, também, outras ao redor do mundo, são alienígenas, Luxem, seres de luz, vindos do planeta Lux. Também lhe explica sobre os Aruns, seres da escuridão, seres malvados, seus inimigos naturais. Conta sobre alguns dos seus poderes e também da importância de manter tudo isso em segredo, tanto para não atraírem a atenção dos Aruns, quanto dos demais humanos, como, também, para não dar motivos para que o Departamento de Defesa venha lhes fazer uma visitinha nada agradável. (Na história há uma unidade do governo responsável, por digamos “catalogar” e “classificar” os Luxem, para saber se devem ou não viver com os humanos e sempre mantêm vigilância sobre eles).

E Daemon lhe conta mais um pequeno detalhe: toda vez que um Luxem usa seu poder perto de um humano ele deixa uma espécie de rastro, como se fosse um brilhante letreiro de Las Vegas, o que facilmente atrairia um Arun para perto de quem possuir esse rastro, que aos poucos desaparece. E, até que o rastro deixado em Katy desapareça, ela e Daemon terão que ficar perto um do outro. O grande problema é que eles não se suportam. Sempre há um clima de tensão sexual não resolvida quando eles estão juntos e toda essa convivência vai gerar vários momentos tensos e divertidos.

“- Provavelmente você sonha comigo. - Seu olhar se moveu para minha boca. Separei meus lábios-. Aposto que escreve meu nome dentro de corações em todos os seus cadernos.
Eu ri. - Nos seus sonhos. Daemon. Você é a última pessoa que eu pensa...
Daemon me beijou.”-Katy e Daemon.

No primeiro livro da saga, é apresentado ao leitor o um pouco do mundo dos Luxem e dos Aruns, e também como é a convivência dessas raças com a espécie humana. E descobrimos um pouco mais sobre a família Black, que omite um pequeno – grande- detalhe.

Os personagens são cativantes e cada um tem uma característica única e marcante, tornando-os carismáticos. O que faz com que o leitor se apegue a eles e se mantenha cada vez mais atento ao que vai acontecer a seguir na história.

A Katy, é uma das minhas protagonistas femininas favoritas. Há um bom tempo não encontrava uma personagem tão forte e decidida como ela, corajosa e determinada, sempre lutando para defender a si mesma e a quem ama. Não tem medinhos ou frescuras, não espera que o príncipe encantado venha salvá-la (ou, no caso, alienígena encantado). E, se toda essa personalidade forte não fosse o bastante para me fazer ama-la, ela ainda é louca viciada em livros. Katy tem um blog, onde sempre posta suas resenhas e comentários de leitura e, acredito, que muitos leitores simpatizarão com ela.

O Daemon, na maior parte do tempo é irritante e irônico. Porém, o comportamento dele dá ao livro muitas cenas cômicas. Ele tem várias tiradas sarcásticas e sempre faz por onde irritar e tirar a Katy do sério (eu aaamo personagens assim). Embora em muitos momentos o comportamento dele dê vontade de mata-ló, porque às vezes ele exagera mesmo, há toda uma explicação por trás disso. Ao longo do livro, nos capítulos extras e em Shadows, descobrimos a razão. Daemon é algo único, misturado as personalidade de Edward ( Crepúsculo), Jace ( Instrumentos Mortais) e Pacth ( Hush Hush). Essa mistura o torna um personagem perfeito ao meu ver.

A Dee, é uma personagem secundária que, sinceramente, merecia um spin off ou pelo menos um conto só dela. Com seu jeito fofo, meigo e alegre, ela consegue contagiar o leitor com sua animação. O comportamento dela remete um pouco –muito – ao da Alice Cullen. Na verdade, muitos livros agora trazem uma versão de Alice em suas tramas.

Para concluir, eu tenho que dizer que essa saga entrou para o meu top de favoritos. Já li os quatro livros lançados a prequel e o spin off, e a cada livro a história fica ainda melhor. A cada livro o leitor tem mais fome de saber o que vai acontecer. A trama é cheia de revelações e detalhes que enriquecem mais a estória. Estou muito ansiosa para o lançamento de Opposition para saber qual desfecho a escritora irá dar a saga.
Boa leitura e até a próxima!



Autor (a) da resenha: Kessia G. N.

0 comentários :

Postar um comentário