Resenha: Alma?- Gail Carriger

Série: O Protetorado da Sombrinha 01
Autor (a): Gail Carriger
ISBN-13: 9788565859042
Ano: 2013
Páginas: 308
Idioma: português
Editora: Valentina
Pontuação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
Sinopse: Alexia Tarabotti enfrenta uma série de atribulações sociais, quiproquós e saias justas (embora compridíssimas) em plena sociedade vitoriana. Em primeiro lugar, ela não tem alma. Em segundo, é solteirona e filha de italiano. Em terceiro, acaba sendo atacada sem a menor educação por um vampiro, o que foge a todas as regras de etiqueta.
E agora? Pelo visto, tudo vai de mal a pior, pois a srta. Tarabotti mata sem querer o vampiro ― ocasião em que a Rainha Vitória envia o assustador Lorde Maccon (temperamental, bagunceiro, lindo de morrer e lobisomem) para investigar o ocorrido.
Com vampiros inesperados aparecendo e os esperados desaparecendo, todos parecem achar que a srta. Tarabotti é a responsável. Será que ela conseguirá descobrir o que realmente está acontecendo na alta sociedade londrina? Será que seu dom de sem alma para anular poderes sobrenaturais acabará se revelando útil ou apenas constrangedor? No fim das contas, quem é o verdadeiro inimigo, e... será que vai ter torta de melado?
Uma das séries de Steampunk mais cultuada do mundo.

Primeiramente, tenho que admitir que levei certo tempo para adicionar os livros de O Protetorado da Sombrinha na minha lista de leitura. Por quê? Porque, por mais que eu achasse as capas interessantes, devo confessar que o nome da série foi um tanto broxante, ou até intrigante. Mas, preferi deixar de lado... Até que um dia assistindo a um vídeo resenha, eu escutei sobre a história e me vi interessada. 

Fui procurar mais a respeito e acabei me encantando. E logo procurei os livros e, veja só, descobri que os livros pertencem ao gênero Steampunk. Aí você leigo, assim como eu, se pergunta: O que é/significa Steampunk? Vou facilitar e deixar uma colinha: clique aqui.

A série de livros não é somente um Steampunk, mas sim uma das séries mais cultuadas do gênero. Quando li isso eu pensei: “nossa, deve ser um senhor livro ou é propaganda enganosa.” E devo dizer que, como livro introdutor da série, seu papel foi cumprido com louvor! 

A autora foi muito bem sucedida na apresentação dos personagens e suas características. A forma como a Gail Carriger os descreve, a interação entre eles e, claro, o cenário onde tudo se passa é muito bem construído. O livro é cativante e cômico, tratando de forma irreverente alguns aspectos da época e ao mesmo tempo seguindo os padrões da sociedade, fazendo com que a trama se torne ainda mais atrativa. Afinal é no mínimo interessante ver lobisomens e vampiros da alta sociedade londrina seguindo as regras do decoro e da última moda! 

Para aqueles que assim como eu gostam de histórias sobrenaturais, mas não aguentam ver mais do mesmo, como se fosse a mesma história mudando apenas nomes e locais, preparem-se, pois ‘Alma?’ fugiu dos padrões clichês. A autora conseguiu tratar dos já tão conhecidos e comuns personagens sobrenaturais de forma original e coesa, usando uma explicação científica e moderna, para a época em que a história se passa. 

Alexia Tarabotti, é uma solteirona de 26 anos, que tem como atributos sua personalidade forte e uma língua prá lá de afiada. Porém é descendente de pai italiano e herdara dele o sangue quente e a tez morena, além de um nariz bem pronunciado. Características que explicam sua ‘solteirice’, pois seus predicados fugiam e muito aos ideais das moças casadouras da época. 

A história começa quando a Srta. Tarabotti é atacada, de forma nada cortês, por um vampiro sem a menor noção de etiqueta ou bons modos. E ela acidentalmente acaba matando o fulano utilizando de sua fiel sombrinha. Eis que entra em ação Lorde Maccon, um temperamental, deliciosamente lindo e escocês lobisomem, que trabalha como agente de um departamento sobrenatural, o DAS, organizado pela Rainha Vitória. Sendo ele o Alpha dos lobisomens de Londres e o encarregado chefe desse departamento, assume as investigações do caso que indica ser apenas o começo de algo maior e mais preocupante. 

“— Mas que topete! — exclamou a moça. — Ainda nem fomos apresentados! 


Jamais um vampiro tentara mordê-la. Ela conhecia alguns apenas pela 



reputação, claro, e era amiga de Lorde Akeldama. Mas, também, quem não era amigo de Lorde Akeldama? Só que nunca antes um vampiro tentara se alimentar dela!” 
Nossa mocinha e o lobisomem Alpha vivem trocando farpas, quando se encontram os dois não economizam nas brigas. E assim protagonizam as cenas mais cômicas do livro. Lorde Maccon a quer bem longe de sua investigação, por sua vez Alexia não irá ficar esperando sentada. Ela mesma, usando de sua perspicácia e seus contatos, tentará desvendar o que está acontecendo de errado. 

“Lorde Maccon observou-a, com admiração. A Srta. Tarabotti podia ter uma visão crítica do próprio rosto sempre que se olhava no espelho de manhã, mas não havia nada de errado com sua aparência. O conde só deixaria de notar esse detalhe tentador se tivesse bem menos alma e desejos sexuais. Mas é óbvio que ela sempre estragava o momento sedutor ao abrir a boca. Na humilde opinião dele, ainda estava por nascer uma mulher mais irritantemente tagarela.” 

O romance entre os dois é bem ao estilo entre tapas e beijos (principalmente beijos) os momentos a sós do casal deixam o leitor entre risos e suspiros. Lorde Maccon além de ser um lobisomem, o que por si só já o classifica como um ser grosseiro e de hábitos primitivos, que nem toda a educação, bons modos e roupas elegantes do mundo seriam capazes de ocultar por completo, ele ainda é escocês. O que somado a sua condição apenas amplifica suas características rústicas (adoro, cabra macho!). Alexia, é uma preternatural, um ser sem alma. Seus poderes anulam as habilidades dos sobrenaturais, porém, sua carência de alma é facilmente suprida por suas outras habilidades, dentre elas, sua capacidade de sempre vencer uma discussão com Lorde Maccon. 



“— Não venha me dar ordens nesse tom de voz, seu... — ela procurou uma 
expressão particularmente insultante — ...cachorro! Felizmente não faço parte da 
sua matilha.” 


Ademais, temos personagens secundários tão marcantes e interessantes quanto os protagonistas, como Lorde Akeldama, um vampiro excêntrico e muito bem informado dos últimos acontecimentos da alta sociedade londrina, Professor Lyall, o Beta e Maccon, um homem inteligente e leal, e um cientista que deseja estudar a fundo a condição sobrenatural, e a medição da alma desses seres. 

Narrado em terceira pessoa, o livro tem uma linguagem madura e rica (o que me fez recorrer ao dicionário algumas vezes). A autora explora temas científicos de forma fluida, não tornando a leitura maçante, muito pelo contrário, a junção dos temas científicos com as corriqueiras situações da época torna a leitura divertida e agradável, deixando o leitor sedento pelas continuações.


Autor (a) da resenha: Kessia G. N.

6 comentários :

  1. Oii!
    Ameei a resenha ♥ Ahh sou loucas para ler esse livro! E ainda mais depois de saber que tem romance ~romântica incurável aqui \o/~ estou ainda mais ansiosa *-*
    Seguindo!

    Beijão!
    http://loucaspaginasblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah tem romance SIM! Um romance bem dosado, sem excessos, e muito atrativo! Coloque e sua lista. Não se arrependerá ^^
      Beijos

      Excluir
  2. Meu Deus! Simplesmente já amo e já quero! Parece ser muito bom! Preciso ler urgentemente rs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom mesmo! Leia e depois volte aqui para dar sua opinião

      Excluir
  3. Me acabei de rir com o livro e os apelidos de Lord Akeldama!

    ResponderExcluir