Resenha: Metamorfose?- Gail Carriger

Série: O Protetorado da Sombrinha 02
Autora: Gail Carriger
ISBN-13: 9788565859165
ISBN-10: 8565859169
Ano: 2013
Páginas: 320
Idioma: português
Editora: Valentina
Pontuação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
() Favoritado!

Sinopse: Nesta deliciosa e maldita sequência da série iniciada com Alma?, AlexiaTarabotti se encontra envolvida, só pra variar, em um mistério sobrenatural. 
Alexia Maccon, a esposa do Conde de Woolsey, é arrancada do sono cedo demais, no meio da tarde, porque o marido, que deveria estar dormindo como qualquer lobisomem normal, está aos berros. Dali a pouco, ele desaparece – deixando a cargo dela um regimento de soldados sobrenaturais acampados no jardim, vários fantasmas exorcizados e uma Rainha Vitória indignada.
Mas Lady Maccon conta com sua fiel sombrinha, seus artigos da última moda e seu arsenal de respostas mordazes. Mesmo quando suas investigações a levam à Escócia, o cafundó do Judas onde abundam abomináveis coletes, ela está preparada e acaba provocando uma verdadeira reviravolta na dinâmica da alcateia, como só uma preternatural é capaz de fazer. 
Talvez até encontre tempo para procurar seu imprevisível marido. Mas apenas se... lhe der vontade. 
A série de STEAMPUNK mais cultuada do mundo!

Metamorfose? é o segundo livro da série O Protetorado da Sombrinha. Assim que finalizei Alma?, corri sedenta para ler a sequência, porém, com certo receio, afinal, como falei em alguma outra resenha aqui do blog, eu acredito na “maldição do segundo livro”. Para aqueles que não sabem, ou não lembram, nada mais é que, o primeiro livro de uma série, saga ou trilogia é perfeito, excitante, incrível, no entanto, no segundo livro, o autor por alguma força do contra ou alguma entidade negativa recalcada não consegue manter o mesmo ritmo do livro anterior. Os personagens se mostram opostos do que eram, as personalidades e opiniões divergem e o rumo da trama se perde. 

Por sorte, posso afirmar que Gail Carriger não foi vítima dessa maldição (obrigada Raziel!). Embora tenha levado mais páginas que no livro anterior para fazer a história engatar de vez. 

A história começa quando, a agora não mais Alexia Tarabotti e sim Alexia Maccon, esposa do conde de Woolsey e Muhjah da rainha Vitória, é desperta com os gritos de seu marido, o lobisomem Alfa dos lobisomens de Londres e notívago-chefe do DAS, Conall Maccon. O homem está aos berros e não se digna a lhe dar explicação alguma. 

“Ela soltou um suspiro, virou-se na direção da gritaria e abriu um dos olhos. O dorso enorme e desnudo do marido preenchia seu campo de visão. Para ver mais, Lady Maccon teria que se erguer. Mas, como assim se exporia à friagem, desistiu de fazê-lo. Porém, conseguiu perceber que o sol acabara de se pôr. O que Conall fazia acordado, exaltado daquela forma, tão cedo daquele jeito”. 

Após ser acordada de seu sono muito prematuramente, pois ainda nem havia caído à noite, ela decide dar início aos seus afazeres noturnos, e logo descobre o motivo da histeria do marido. Algo está afetando os poderes dos seres sobrenaturais de Londres e os deixando polvorosos! 

Além desse fato intrigante, Alexia tem que lidar com um regimento inteiro de lobisomens alojado em seu jardim frontal, e também com o sumiço de seu marido, que teve assuntos pessoais pendentes a resolver na Escócia. 

Nossa protagonista inteligente, perspicaz e sem alma, decide que irá descobrir o que está acontecendo de errado, porém, suas investigações a conduzem diretamente adivinhem para onde? ... Isso mesmo, para a Escócia! Alexia juntamente com sua melhor amiga, uma de suas irmãs mais novas, o zelador de seu marido e uma cientista com gosto prá lá de particular e escandaloso para moda a tira colo, embarcam em um dirigível rumo ao país de clima instável, terras lamacentas e montanhosas. 

A viagem não é nada revigorante ou divertida como a preternatural acreditou que seria, pelo contrário, sua primeira viagem de dirigível foi cheia de percalços e mal-estares. 

“Lady Maccon só beliscou a comida, não por achar que tentariam envenená-la de novo, mas porque o voo ainda a estava deixando enjoada. Ansiava sentir a terra firme e despretensiosa sob os pés novamente.” 

Chegando ao castelo de Kingair, Lady Maccon se depara com uma alcateia um tanto peculiar, que guarda segredos antigos dos quais seu marido está envolvido. E somado a isso, ela precisa ajudá-los a resolver um grande mistério que se instalou por aquelas bandas. Alexia toma as rédeas da situação, uma vez que até mesmo seu marido está um tanto quanto impossibilitado. E novamente a preternatural prova sua coragem e astucia. 

Gail conseguiu manter intactas as características de cada personagem. Alexia continua a ser sagaz, sempre com a língua afiada pronta para dar sua opinião direta e cortante, ou fazer algum comentário crítico ou ácido, dando um ar cômico a leitura, assim como Ivy manteve seu péssimo gosto para chapéus, e Lorde Maccon continuou o mesmo lobisomem escocês delícia e temperamental de péssimo gosto para roupas de antes, só que ainda mais apaixonado e ciumento (suspiros *-*). 

“— Andou flertando com a minha esposa? — vociferou. Madame Lefoux endireitou o corpo e o fitou. 
— Não precisa ficar bravo nem territorial, lobo velho. Se a acha atraente, por que eu não haveria de achar? 
Ele deixou escapar uns resmungos. 
— Não aconteceu nada — corroborou Lady Maccon, com um largo sorriso. 
A inventora acrescentou: 
— Não que eu não tivesse gostado... 
O conde rosnou e se assomou de forma ainda mais ameaçadora na direção de Madame Lefoux, que se limitou a revirar os olhos ante aquela atitude.” 

Nesse ponto tive de dar parabéns à autora, ela levou com maestria a sequência do livro. Como defeito, só tenho a apontar que senti a escrita um pouco mais arrastada. Mesmo que a trama principal tenha se revelado logo de início, senti que demorou mais para me envolver por completo. 

Além dos personagens do primeiro livro que continuaram a participar da sequência, mesmo que alguns com uma frequência menor, tivemos o acréscimo de um novo personagem, Madame Lefoux. Uma talentosa cientista, muito a frente de seu tempo em se tratando de moda. 

O romance, assim como em Alma?, não foi nada meloso ou excessivo. Na medida certa a autora deu ao leitor momentos românticos e muito calientes. Lorde Maccon tem seu nome citado em quase todas as cenas, porém ele aparece em menos da metade delas, mas sua presença (e sua pegada) nos momentos em que está realmente presente, compensa qualquer coisa. Podemos perceber neste livro que Alexia já está bem envolvida e apaixonada pelo marido, embora Maccon sempre deixe mais aparente seus sentimentos que ela. 

“Vendo que não havia ninguém por perto para tolhê-lo, ele empurrou a esposa contra a parede e pressionou o corpo inteiro contra o dela. 
— Uuuumf— disse ela. — Agora não. 
Ele aninhou o rosto em seu pescoço, beijando-a e lambendo-a com suavidade sob a orelha. 
— Só um minutinho. Preciso de um pequeno lembrete de que você está aqui, de que está inteirinha e de que é minha. 
- Bem, os dois primeiros itens deviam ser óbvios e, o terceiro, pode ser 
sempre motivo de discussão — retrucou a preternatural, sem ajudar.” 

Novamente Gail Carriger deixa clara sua genialidade e habilidade na escrita, conduzindo sua história de forma coerente e ligando todos os pontos, explicando de forma clara e prática todas as situações, explorando da melhor forma o tema que ela propôs, e merecendo, assim, que O Protetorado da Sombrinha seja considerado um dos melhores Steampunk . 

Sobre o final do livro só posso dizer que fiquei com o coração na mão, e um terrível desejo de arrancar com uma pinça cega cada pelo do corpo de Lorde Maccon! 

Deixem seus comentários e opiniões sobre o livro, digam o que acharam sobre a história. 

Até a próxima!

Próximo livro da série:


Autora da resenha: Kessia G. N.

2 comentários :

  1. Concordo com tudinho! Eu adorei esse livro mas também senti que ficou um pouco arrastando em alguns momentos. E no final, no final, que vontade de matar Lord Maccon! Sorte minha que comecei o segundo já com o livro 3 do lado. Mesmo assim eu ainda continuo amando aquele lobo mal humorado rsrsrs.

    ResponderExcluir