Resenha: O Projeto Rosie- Graeme Simsion

Título Original: The Rosie Project
Autor: Graeme Simsion
Ano: 2013
Páginas: 320
Editora: Record
Pontuação:  ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
() Favoritado!

Sinopse: Para se ter a vida de Don Tillman, não é preciso muito esforço. Às terças-feiras come-se lagosta com salada de wasabi (seguindo um roteiro com refeições padronizadas que evitam o desperdício de ingredientes e de tempo no preparo); todos os compromissos são executados de acordo com o cronograma – alguns minutos reservados para a prática do aikido e do caratê antes de dormir; uma hora para limpar o banheiro; três dias da semana reservados para suas idas à feira – e se, apesar dessa programação, algum desagradável contratempo surgir em sua rotina, não há nada que não possa ser solucionado com meia hora de pesquisa científica.

Exceto as mulheres.

Até o momento, a única coisa não esclarecida pelos estudos no campo de atuação de Don, a genética, é o motivo para sua incapacidade de arrumar uma esposa. Uma namorada ao menos? Ou até mesmo uma amiga para somar ao seleto grupo de amigos de Don, formado por Gene, também professor na universidade, e a mulher dele, Claudia, psicóloga e esposa muito compreensiva.

Para solucionar esse problema do modo mais eficaz, Don desenvolve o Projeto Esposa, um questionário meticuloso que irá ajudá-lo a filtrar candidatas inadequadas a seu estilo de vida: fumantes JAMAIS, e mulheres que se atrasam por mais de cinco minutos ou que usam muita maquiagem estão fora dos critérios pouco flexíveis que o levarão à mulher ideal.

O único problema é que um questionário desse tipo exige tempo e dedicação, duas coisas que começaram a diminuir exponencialmente no cotidiano de Don desde que ele conheceu Rosie: fumante, vegetariana e incapaz de chegar na hora marcada. Ou esse era o único problema até Rosie entrar na vida de Don e – despretensiosamente, uma vez que ela nunca se candidatou ao Projeto Esposa – mostrá-lo que a mulher ideal não existe, mas o amor, sim.


Don Tillman, é um professor de genética, quase quarentão, com uma inteligência extraordinária e nenhuma habilidade social. Sua inaptidão para socializar com os demais indivíduos, desde o nascimento. acarretou alguns problemas em sua vida, que ele aprendeu a contornar com seu jeito peculiar de ser. 

Em sua vida tudo está perfeitamente organizado em seu impecável cronograma. Todo o seu tempo é cronometrado, nem um segundo do seu dia é desperdiçado. E caso alguma eventualidade aconteça, rapidamente ele reorganiza tudo para conter os danos causados em seus horários. Seu dia-a-dia, suas refeições, cada pequeno detalhe está programado cuidadosamente. 

Graças ao seu completo fracasso em interagir com as pessoas, ao longo dos seus quase quarenta anos, Don pode literalmente dizer que conta seus amigos nos dedos (de uma única mão, vale ressaltar). Seu melhor amigo, um cinquentão psicólogo metido a ‘Don Juan’, e a esposa dele Cláudia, também psicóloga, os filhos do casal e Daphne, Uma senhora muito simpática e disposta a aprender, que por anos foi vizinha de Don. 

Nosso protagonista tem tudo para ser um bom partido: está em forma, é excepcionalmente inteligente, financeiramente estável, tem uma carreira sólida... Enfim, tecnicamente, pela lógica, ele deveria ter uma ‘penca’ de mulheres correndo atrás dele. Porém, seu ‘Modus Operandi’ funciona de forma singular. Sua mente consegue facilmente compreender ciências, matemática, fórmulas complexas, porém é completamente incapaz de interpretar expressões faciais, gírias, e as entrelinhas nas frases durante uma conversa, o que o torna um ser literal e direto demais. Seus hábitos controlados e estranhos dão a ele os rótulos de ‘esquisito’ e ‘desajustado’. 



“Tenho trinta e nove anos, sou alto, estou em forma e sou inteligente; tenho um status relativamente elevado e uma renda acima da média como professor associado. Segundo a lógica, eu deveria atrair uma ampla variedade de mulheres. No reino animal, eu seria bem-sucedido do ponto de vista reprodutivo. ”



Don já estava acostumado e conformado com sua vida, uma vez que enfrentou esses problemas durante toda sua vida e até mesmo sua família o considera esquisito. E já estava quase desistindo de encontrar uma esposa, quando sua amiga Daphne lhe diz que ele poderia ser um ótimo marido para alguém um dia e que existe alguém para todo mundo. Estatisticamente falando, ela está certa, porém, Don jamais passou do primeiro encontro. 

Então ele chega a uma solução brilhante (na cabeça dele apenas) para o ‘problema esposa’. Uma forma simples e prática (para ele) de selecionar a esposa perfeita. Don cria um questionário (na verdade, é quase um vestibular, até passar no ENEM tá mais fácil), com objetivo de eliminar as candidatas inadequadas e selecionar a candidata apta para ser sua companheira de vida. Dessa forma ele não desperdiçaria seu precioso tempo em encontros infrutíferos. 


“Um questionário! Uma solução tão óbvia. Um instrumento cientificamente válido, com propósito definido, que incorpora as melhores práticas atuais para filtrar as mulheres que são perda de tempo, as desorganizadas, (...) as criacionistas, as fumantes, as cientificamente analfabetas e as homeopatas, deixando, do ponto de vista ideal, apenas a parceira perfeita ou, do ponto de vista realista, uma lista mais administrável de candidatas. (...) O Projeto Esposa.”

Até então ele estava decidido e empenhado em seu ‘Projeto Esposa’, suas expectativas estavam altas. Dessa vez ele encontraria seu par! Don até aquele momento estava convicto do tipo ideal de mulher que ele queria para esposa... Eis então que Rosie cai na sua vida. 

Como uma possível candidata ao ‘Projeto Esposa’, ela é totalmente inadequada pois: fuma, vive atrasada, é vegetariana, bebe e trabalha como bartender. Ou seja, completamente oposta ao ideal de Don. Rosie está em busca de seu pai biológico e Don, por ser especialista em genética, resolve ajudá-la enquanto espera melhores resultados em seu projeto. 

Durante a busca pelo pai biológico de Rosie, nosso professor e a bartender começam a se conhecerem melhor, e uma história nada convencional de amor começa a se desenrolar. Don apresenta traços de TOC e de Síndrome de Asperger e, mesmo assim, consegue ser cativante e charmoso. E nem mesmo Rosie poderá negar as qualidades que ele apresenta. 

Em algum momento dessa busca louca e cheia de percalços, o ‘Projeto Esposa’ se torna ‘Projeto Rosie’, e nosso Don percebe que nem mesmo ele é imune a paixão. E descobre que nem sempre o que desejamos e planejamos é o que realmente precisamos. 


“E então percebi que não havia desenvolvido aquele questionário para encontrar uma mulher que eu pudesse aceitar, mas sim para encontrar alguém capaz de me aceitar."

Minha Nossa! Uau! Esse foi um dos melhores livros que li esse ano! Dei altas gargalhadas com a forma de ser do Don, o livro não apenas é engraçado, mas há algo mais, algo que nos faz refletir. O crescimento pessoal e as descobertas do protagonista são detalhadas de uma forma que me absorveu completamente. 

A escrita do livro, talvez alguns ache cansativa, mas creio que foi totalmente adequada, incorporou e ressaltou ainda mais as características do protagonista, a quantidade de detalhes e informação foi incrível. Comparado a outros livros do gênero que li, O Projeto Rosie é muito bem encorpado e escrito, e o fato de ser um protagonista masculino foi ainda mais atrativo, pois em geral Chick-Lit é um gênero predominantemente de protagonistas femininas. 

O autor foi tão feliz com essa história que sua escrita e seu personagem são altamente cativantes e viciantes, o que faz minha ansiedade pelo segundo livro ainda maior. Em breve a Editora Record lançará o segundo livro intitulado O Efeito Rosie, e já estou com a expectativa lá em cima! 

Comente aí se você já leu O Projeto Rosie e o que achou, se não leu comente se pretende ler ou não. Diga-nos sua opinião.

Clique aqui e veja o vídeo feita pela Galera Record em apresentação do livro.

     Próximo livro:


Autora da resenha: Kessia G. N.

1 comentários :

  1. Eu já queria ler esse livro antes agora eu quero muito mais que antes parabéns pela sua resenha

    ResponderExcluir