Resenha: Ligeiramente Casados- Mary Balogh

Título: Ligeiramente Casados, Vol. 01
Subtítulo: Os Bedwyns
Autora: Mary Balogh
Editora: Arqueiro
Edição: 2014
Nº de Páginas: 288
Pontuação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
() Favoritado!

Sinopse: À beira da morte, o capitão Percival Morris fez um último pedido a seu oficial superior: que ele levasse a notícia de seu falecimento a sua irmã e que a protegesse "Custe o que custar!". Quando o honrado coronel lorde Aidan Bedwyn chega ao Solar Ringwood para cumprir sua promessa, encontra uma propriedade próspera, administrada por Eve, uma jovem generosa e independente que não quer a proteção de homem nenhum.

Porém Aidan descobre que, por causa da morte prematura do irmão, Eve perderá sua fortuna e será despejada, junto com todas as pessoas que dependem dela... a menos que cumpra uma condição deixada no testamento do pai: casar-se antes do primeiro aniversário da morte dele o que acontecerá em quatro dias.

Fiel à sua promessa, o lorde propõe um casamento de conveniência para que a jovem mantenha sua herança. Após a cerimônia, ela poderá voltar para sua vida no campo e ele, para sua carreira militar.

Só que o duque de Bewcastle, irmão mais velho do coronel, descobre que Aidan se casou e exige que a nova Bedwyn seja devidamente apresentada à rainha. Então os poucos dias em que ficariam juntos se transformam em semanas, até que eles começam a imaginar como seria não estarem apenas ligeiramente casados...

Neste primeiro livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh nos apresenta à família que conhece o luxo e o poder tão bem quanto a paixão e a ousadia. São três irmãos e três irmãs que, em busca do amor, beiram o escândalo e seduzem a cada página. 

Uma promessa é o que os une. Lorde Aidan Bedwyn não sabia o quanto uma promessa poderia mudar sua vida, mas ele era um homem de honra e iria cumprir com o que havia prometido.

Inglaterra e França estão em guerra e Aidan é o Coronel, um homem da nobreza, irmão do duque de Bewcastle. Após fazer uma vistoria no campo de batalha, para ver se encontrava alguns dos seus homens vivos ao qual podesse ajudar, Aidan se depara com o capitão Percival Morris muito ferido. Aidan até tenta ir buscar ajuda médica para o capitão, mas Morris não permite e, antes que seja tarde demais, pede a seu superior que lhe prometa cuidar, "custe o que custar", da sua irmã Eve.

"-Não consigo esquecer- falou Eve- que é filho e irmão de um duque, que é lorde Aidan Bedwyn.
-E a madame é Lady Aidan Bedwyn- lembrou a ela enquanto a carruagem se colocava a caminho.
- Uma impostora- disse ela, e riu.
- Não. - Ele virou a cabeça para encará-la. - Minha esposa."

E sabendo que ele devia sua vida a Percy, que lhe salvou em outra batalha, Aidan promete cumprir a promessa e, após tirar sua licença de dois meses, parte para o Solar Ringwood para comunicar, pessoalmente, a morte do capitão e seu último desejo a sua irmão Eve Morris.

O encontro de ambos não desperta nada além da dor da perda que Eve sente ao saber da morte do irmão, sem falar do que a aguarda em pucos dias. Eve é filha de um burguês, uma classe que, apesar de rica, não era bem vista pela nobreza, que deixa em testamento toda a herança para a filha durante um ano. Após esse período tudo seria de Percival que também havia deixado um testamento declarando Eve como única herdeira. No entanto, o pai de Eve também colocou outro empecilho: caso, passado um ano, Percy não tomasse posse ou mesmo Eve não se casasse, tudo seria do primo deles, Cecil Morris.

"Eu não acredito no amor romântico. É um mero eufemismo para o apetite sexual dos homens e a fantasia de um lar e segurança para as mulheres. No entanto, acredito na lealdade e na afeição familiar."


E para piorar a situação da moça, Percy morreu antes de completar um ano e, assim, todos aqueles que dependem dela, incluindo duas crianças órfãs, ficarão sem teto e a quem recorrer - afinal, todos os seus protegidos são pessoas que foram rejeitadas pela sociedade, que não lhes deram uma oportunidade de trabalho. Movido pelo senso de obrigação em protegê-la e de cumprir com sua promessa, Aidan lhe propõe um casamento de conveniência. Ambos apenas precisam mostrar que o enlace é forte o suficiente para Eve permanecer protegida e com tudo que lhe é de direito, sem que tenham que seguir as linhas tradicionais do matrimônio ou mesmo consumá-lo. 

"-Uma coisa sobre os Bedwyn- falou Aidan- é que não amam facilmente, mas quando amam é com muita intensidade. Ninguém imaginaria isso ao nos conhecer, não é mesmo? É claro que nenhum de nós nesta geração, exceto Freyja, já exprimentou esse sentimento, por isso não temos certeza."

E assim eles se casam, tendo a tia de Eve, Mary, e o ordenança de Aidan como testemunhas. E, após celebrarem para que todos os amigos e familiares de Eve os vejam juntos e comprovem a legalidade da união, eles não precisarão nunca mais se verem. Cada um poderá viver como desejar, como se nunca tivessem existido um na vida do outro. Mas, nada sai como o planejado!

A obra é narrada em terceira pessoa e traz uma temática já conhecida por muitos leitores, mas que, por mais previsível que possa ser, não deixa de nos conquistar ao mostrar a construção de um amor que floresce aos poucos através do convívio e das adversidades que enfrentam diariamente e que os fazem se unirem para chegar a uma solução. Nada nesse livro ocorre de forma inesperada. Nem mesmo o amor entre nossos protagonistas. Até porque eles são bem diferentes um do outro, desde a classe a qual pertence até a forma como encaram, os sonhos e prioridades.  

Algo que chama a atenção do leitor é que Eve e Aidan não se apaixonam logo de cara. Existe apenas interesse e cortesia entre eles e nada mais. Aidan até a acha bonita, mas não ao ponto de querer assumir um compromisso com Eve e só o faz em razão da promessa feita. E mesmo após casados, não demonstram ter nenhum interesse em consumar a união.

"Então, de algum modo, as bocas dos dois se encontraram e se colaram por alguns momentos que pareceram infinitos, antes mesmo que eles se afastassem de um pulo e soltassem as mãos do outro como se estivessem escaldados."


Aidan é um homem que não sorrir, frio, imponente, enquanto Eve é uma mulher calorosa, amorosa, que gosta de ajudar os necessitados e sonha com o amor e ter seus próprios filhos. Ela tem Becky e Davy, duas crianças órfãs que ela cuida como filhos a pedido de sua tia Jemina, mãe do primo Cecil. Mas, Eve deseja também ter filhos vindos de seu ventre. Ambos são bem diferentes, mas que aos poucos constroem algo em comum e só deles: o amor.

A autora escreve de forma rápida e envolvente uma narrativa belíssima, envolta de muitos sentimentos e que são ocorrem de forma rápida. Mas cada coisa a seu tempo. 


[...] "Talvez o presente fosse tudo o que importava. Talvez fosse tudo o que qualquer um pudesse esperar. Talvez o amanhã fosse uma ilusão que nunca chegasse."


Gostei da forma como a autora retratou o período histórico em questão, abordando como os soldados eram vistos pelas a sociedade e como ficavam os feridos em guerra que acabavam inválidos. Outro ponto que gostei foi sobre a questão da adoção. Como sabem ou já viram em outras obras, as crianças órfãs eram mandadas a para serem criadas por parentes e quando não havia mais ninguém, eram enviadas aos orfanatos. E na obra, a autora aborda muito bem esse questão. Eve não é parente das crianças e mesmo assim ela as toma para si, lhes dar um lar, amor e carinho. 

Ainda nessa obra somos apresentados ao personagem da próxima obra, Ligeiramente Escandalosos, irmão de Aidan. E já estou na expectativa de ler.

Em suma, é uma muito bem escrita, que apresenta ao leitor como era a sociedade daquela época, os costumes, moda, além dos fatos históricos que ocorriam e sua interferência no convívio social. Eu amei a obra e toda sua construção.

"Há algo infinitamente melhor do que um conto de fadas. É a felicidade. E a felicidade é uma coisa vívida e dinâmica, Eve, e tem de ser trabalhada a cada instante durante a nossa vida. É uma perspectiva muitíssimo mais entusiasmante do que a tola e estática ideia de se ser feliz para sempre."

Próximo livro da série:



6 comentários :

  1. Esse livro é o meu preferido da série apesar de eu não ter lido os outros ainda

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também não li os outros ainda, mas gostei muito da construção da história.
      Beijoss

      Excluir
  2. já anotei esse livro, tenho que comprar, gosto desse tipo de romance
    ótima resenha, não conhecia nenhum livro dessa autora, e agora vejo
    o que estou perdendo. bjs
    Taynara Mello | Indicar Livros

    http://www.indicarlivros.com/2016/05/1-sorteio_25.html

    ResponderExcluir
  3. Já me falaram muito desse livro e eu ainda não parei para dar uma oportunidade... Sua resenha me fez querer ler... :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que legal!!! Espero que goste da leitura. Quero ver sua resenha!
      Beijoss

      Excluir