Resenha: Arcano Nove (A Mediadora #02)- Meg Cabot

Título: Arcano Nove, Vol. 02
Série: A Mediadora
Gênero: Literatura Juvenil / Adolescente
Autor: Meg Cabot
Edição: 2005
Nº de Páginas: 272
Editora: Galera Record
Pontuação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
() Favoritado!

Sinopse: Para uma adolescente, trocar de cidade pode ser um trauma. Para Suzannah, a mudança de Nova York para Califórnia está sendo ótima: novos amigos, muitas festas e dois caras bonitões e muito interessantes. Só que um deles é um fantasma. E o outro pode matá-la. Suzannah é uma mediadora, uma pessoa capaz de se comunicar com os mortos e resolver as pendências deles na Terra. A velha casa para onde se mudou com a mãe e o padrasto é assombrada por Jesse, um fantasma jovem e gentil. Como Jesse não liga muito para ela (e, além do mais, está morto), Suzannah se entusiasma com o interesse de Tad Beaumont, o garoto mais cobiçado da cidade. Mas o fantasma de uma mulher, cujo assassinato pode ter relação com um mistério no passado de Tad, a atormenta. E a vida de Suzannah pode estar ameaçada. Ser adolescente é complicado. O que dizer de uma garota que precisa dividir sua atenção entre a própria vida e a morte dos outros?

***Alerta!!! Pode conter Spoiler.  Este é o segundo volume da série, caso não tenha lido o primeiro volume, veja nossa resenha no clique aqui

"O Arcano Nove — dizia a explicação.--- O eremita, a nona carta do tarô, guia as almas dos mortos para além da tentação das fogueiras ilusórias ao lado da estrada, de modo que possam ir direto ao seu objetivo mais elevado. " 


O que fazer quando um fantasma histérico te acorda de madrugada, quando tudo que você quer é dormir? Pois é, Suzannah Simon tem de lidar com esse tipo de coisa. Ela é uma mediadora, a pessoa que deve mediar as almas desencarnadas para seu lugar de descanso, após ajudá-las a completar suas coisas inacabadas aqui nesse plano. 

“ Fiquei ali sentada piscando, porque meu quarto estava escuro de verdade — bem, era de noite. Você sabe, de noite, quando as pessoas normais dormem. 

Mas não nós, os mediadores. Ah, não. ” 


Porém, não é tão fácil nem gratificante como o título sugere. Ela sempre acaba em uma tremenda enrascada. Isso quando não acaba com machucados e hematomas que não pode explicar. 

Dessa vez nossa protagonista tem nas mãos um fantasma que precisa desesperadamente que ela transmita uma mensagem para uma pessoa em particular. Só que a única informação que Suze recebe do fantasma é um nome: Red. Então ela tem de se virar para achar o fulano e entregar a tal mensagem. 

Suzannah, como sempre, com seu jeito mega delicado de ser (só que não), acaba entrando em uma confusão que pode pôr sua vida em risco e no meio de toda a confusão em que se mete, ela começa um ‘romance’ com Tad Beuamont, um jovem lindo e rico, o que deixa sua mãe exultante, ao passo que deixa um certo fantasma muito irritadiço. Mesmo que Suze demonstre interesse pelo carinha, seu coração insiste em palpitar por Jesse, o fantasma para lá de gostoso com quem divide o quarto. 

Suze já está em Carmel, sua nova cidade, há algumas semanas, e fez fama depressa, é a vice-presidente da turma do segundo ano, conseguiu alguns poucos, mas bons amigos e está tentando lidar com o fato de ter que conviver diariamente com seu padrasto Andy e seus três meios-irmãos: Soneca, Dunga e Mestre, cada um apelidado de acordo com sua personalidade. 

Neste segundo livro vemos um pouco mais da adaptação da protagonista a sua nova vida, além de ver como a relação entre ela e Jesse cresce. Mesmo que ela negue e tente fugir, a atração entre os dois é inevitável, o que deixa o leitor cada vez mais curioso sobre como esse romance pode dar certo, uma vez que o cara está mortinho da Silva! 

É impossível não se apaixonar por Jesse, o cara é fofo, meigo, protetor e discretamente ciumento. Além de possuir um físico UAU! E para completar o pacote, tem charme espanhol. 

“Foi quando eu percebi que, apesar do quanto eu vinha tentando não me apaixonar pelo Jesse, não estava fazendo um trabalho muito bom.” 


Jesse está sempre presente e tenta ajudar Suze como pode, assim como padre Dom, o que não é tarefa fácil, já que a menina é um imã para confusões. 

É claro que eu não poderia deixar de comentar a amizade de Suze com o Padre Dom, o diretor da escola onde estuda, que também é mediador. O bom e paciente padre, tenta ajudar a moça a ser uma mediadora melhor e a usar métodos menos violentos de mediação, o que às vezes acaba por ser conversa jogada fora. Mas, o bom homem de Deus tem uma fé enorme. Mesmo com o pouco tempo de convivência uma grande amizade cresce entre eles, e o padre tem grande afeto por sua ‘pupila’, mesmo discordando de alguns métodos usados pela jovem. 

No segundo volume da série A Mediadora, continuamos a nos divertir com as aventuras de Suzannah, a escrita da autora continua fluida e leve. E relevando os momentos ‘mimimi’ da protagonista, é uma leitura muito gostosa e prazerosa. 

Repleto de cenas divertidas e tiradas sarcásticas de Suzannah, o livro só nos deixa com mais vontade de ler os próximos!

Próximo livro da série:



0 comentários :

Postar um comentário