Resenha: A Elite - Kiera Cass

Título: A Elite, Vol. 02 (A Seleção)
Série: A Seleção 
Tradutor: Cristian Clemente
Autor (a): Kiera Cass
Gênero: Distopia
Páginas: 360
Editora: Seguinte
Pontuação: ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ 

() Favoritado!

Sinopse: “Para trinta e cinco garotas, a Seleção é a chance de uma vida. É a oportunidade de ser alçada a um mundo de vestidos deslumbrantes e joias valiosas. De morar em um palácio, conquistar o coração do belo príncipe Maxon e um dia ser a rainha. Para America Singer, no entanto, estar entre as Selecionadas é um pesadelo. Significa deixar para trás o rapaz que ama. Abandonar sua família e seu lar para entrar em uma disputa ferrenha por uma coroa que ela não quer. E viver em um palácio sob a ameaça constante de ataques rebeldes. Então America conhece pessoalmente o príncipe - e percebe que a vida com que sempre sonhou talvez não seja nada comparada ao futuro que nunca tinha ousado imaginar”.

***Alerta!!! Pode conter Spoiler. Este é o segundo volume da série, caso não tenha lido o primeiro volume, veja nossa resenha no clique aqui.


A Elite é o segundo livro da trilogia "A Seleção", uma distopia que apresenta ao leitor trinta e cinco garotas de beleza, personalidade e castas diferentes, que estão lutando para conquistar o coração do príncipe Maxon e tornarem-se merecedoras do posto de futura rainha de Illéa. Indo além do concurso para a coroa, A Seleção revela a realidade social dura desse país, a tamanha disparidade social que aflige a população, o desagrado dos rebeldes, o controle autoritário dos governantes e, principalmente, a verdadeira intenção por trás do processo da Seleção. Assim, em meio a vestidos deslumbrantes, encontros sorrateiros pelo jardim, chás e obrigações frívolas, e, claro, muito romance, seis jovens permanecem na disputa. E como já é de se esperar, com um grupo reduzido como esse, dificilmente os segredos permanecerão ocultos. Verdades virão à tona, o certo passará a ser duvidoso, amizades serão testadas, e um momento de hesitação ou uma decisão tomada por impulso poderá causar infinita dor e devastação. Você acha que o que está em jogo é apenas o futuro dessas jovens, mas o que realmente determina as apostas é o destino da nação.

“Não era como se a minha presença fizesse o mundo dele mais feliz. A sensação que eu tinha era de ser o mundo dele. Não havia explosões. Não havia fogos de artifício. Era uma chama lenta, queimando de dentro para fora. ”

O foco principal do livro ainda é o romance e a disputa pelo coração de Maxon. Sobre isso, tantos segredos são revelados, muitos dos quais me deixaram surpreso e emocionado. E a "disputa" finalmente se tornou uma disputa, isso porque enfim nossa protagonista, America, se dá conta do que está em jogo. E nesse ponto, compreendi o rumo que a autora tomou, mesmo que para isso precisamos acompanhar uma America insegura, impertinente, ciumenta e extremamente dividida. 

“(...) mas a verdade é... (...) – que só existe você. Talvez eu não esteja procurando de verdade, talvez elas não sirvam para mim. Não importa. Só sei que quero você. E isso me assusta. ”

Todos esses acontecimentos me deixaram bastante curioso pela continuação. Querendo entender tudo o que há por trás da criação de Illéa e os ataques rebeldes. O motivo de tudo isso estar acontecendo, com quem America irá ficar e ver o circo pegar fogo!

“–É a coisa mais maravilhosa e terrível que pode acontecer com você – afirmou com simplicidade. – Você sabe que encontrou algo incrível e quer levá-lo para sempre consigo. E um segundo depois de ter aquilo, você fica com medo de perder. (...) O amor é um medo belo. ”

Sem dúvidas, adorei o livro, a narrativa intensa da autora, seus personagens e sua sociedade. Muito mais que recomendado, leiam e conheçam essa brilhante distopia.

“– Não, não nasci para ser soldado. Mas – continuou, voltada para Gavril –, se há uma coisa que aprendi na Seleção é que algumas garotas possuem um instinto assassino assustador. Não se deixem enganar pelos vestidos de festa – completou, sorrindo. ”


Próximo livro da série: A Escolha

0 comentários :

Postar um comentário