Resenha: A Garota do Calendário (Janeiro) - Audrey Carlan

Título: A Garota do Calendário - Janeiro. (Série A Garota do Calendário 01)
Autor (a): Audrey Carlan
Edição: 2016
Nº de Páginas: 144
Editora: Verus



Sinopse: Ela precisava de dinheiro. E nem sabia que gostava tanto de sexo. Mia Saunders precisa de dinheiro. Muito dinheiro. Ela tem um ano para pagar o agiota que está ameaçando a vida de seu pai por causa de uma dívida de jogo. Um milhão de dólares, para ser mais exato.

A missão de Mia é simples: trabalhar como acompanhante de luxo na empresa de sua tia e pagar mensalmente a dívida. Um mês em uma nova cidade com um homem rico, com quem ela não precisa transar se não quiser? Dinheiro fácil. 

Parte do plano é manter o seu coração selado e os olhos na recompensa. Ao menos era assim que deveria ser...
Em janeiro, Mia vai conhecer Wes, um roteirista de Malibu que vai deixá-la em êxtase. Com seus olhos verdes e físico de surfista, Wes promete a ela noites de sexo inesquecível — desde que ela não se apaixone por ele.


Eis que em 2016 a Record anuncia seu novo lançamento: uma série composta de 12 livros, sobre uma garota que, para pagar uma grande dívida, teria que se tornar uma acompanhante de luxo. Eu fiquei tipo "Epa! Será que isso vai ser legal?! Humm, sei não...". Assumo que por pré-conceber uma ideia totalmente errada da trama, adiei e muito a leitura, até cogitando nem mesmo ler. Mas, como para todo ser humano evoluir só precisa abrir a mente, após ouvir muitas críticas positivas, resolvi que daria uma chance e embarcaria junto com Mia Saunders em sua aventura. E foi uma experiência de leitura maravilhosa! 

A trama gira em torno de Mia Saunders, uma jovem de 24 anos, que não teve uma vida nada fácil. Quando tinha apenas 10 anos, sua mãe abandonou a família, deixando a menina responsável por sua irmã de 5 anos e um pai alcoólatra e viciado em jogos. Passando por muitas necessidades e provações, Mia conseguiu criar sua irmã e sustentar a casa. 

Como se seus problemas familiares já não fossem o bastante, no campo amoroso ela também não foi nada feliz. Todas as relações que teve foram fadadas ao desastre, sendo que seu último ex é um perigoso agiota de Las Vegas. E falando no fulano, Blane é meio que um "vilão" na trama, pois, quando o pai de Mia contrai uma astronômica dívida de 1 milhão de dólares e não consegue saldar, ele manda seus capangas para dar uma surra de quase morte no homem, que vai parar em coma na UTI e deixará Mia em uma situação além de complicada. 

Pelo seu óbvio estado delicado e incapaz, o pai de Mia não poderá pagar a dívida (ele não poderia pagar de forma alguma, na verdade), então Blane cobra diretamente a Mia, ameaçando a ela e toda sua família caso não receba o pagamento. Vendo-se sem saída, não lhe restam alternativas além de finalmente aceitar trabalhar para sua tia, a Sra. Milan, que é dona de uma requintada empresa de acompanhantes de luxo, a Exquisite Acompanhantes de Luxo.

Rapidamente a Sra. Milan cuida de colocar sua sobrinha em destaque no catálogo da empresa, afinal a moça precisaria trabalhar o ano todo para conseguir pagar o 1 milhão da dívida. Não foi trabalho algum conseguir clientes para ela, Mia é uma beleza natural, sua sensualidade nata e corpo privilegiado, fez com que rapidamente fosse contratada e tivesse seu calendário todo preenchido. Depois de entender todas as "regras" do trabalho, ela é enviada para seu primeiro cliente, Weston Charles Channing III — Wes, para os íntimos, como eu —, um roteirista cheio da grana e lindo de babar. 

“[...]— Acredite, garota, isto aqui não é brincadeira. O que o seu pai e o seu ex-namorado fizeram determinou que seria assim. Você tem sorte por eu estar lhe oferecendo esta oportunidade. Não seja ingrata. Agora, sente-se e cale a boca! — A voz dela ficou completamente desprovida do calor habitual, adquirindo o tom frio e formal de uma empresária muito objetiva.
— Desculpe. — Ela estava tentando me ajudar, mas era tudo tão... repentino. Inacreditável. Caí na cadeira em frente a sua mesa e apoiei a cabeça nas mãos. Sacudi-la repetidamente não mudaria o
resultado. Era como se eu estivesse para alugar. A cada mês seria atribuída a um novo homem e, se eu transasse com ele, ganharia vinte por cento a mais.
Balancei a cabeça e ri. Isso provou que eu estava maluca. Encostei a cabeça no couro da cadeira e
olhei para o teto branco. Depois de um momento, uma decisão me acalmou. Era isso que eu tinha
que fazer. Então deixaria um cara sexy me levar para jantares de negócios chatos e aonde mais ele
quisesse. Eu não precisaria transar com ele e, mais importante, não tinha nenhuma chance de me
apaixonar.[...]
Respirei fundo, levantei e estendi a mão para minha tia. Seu sorriso era cruel, mas ainda assim sexy. Ela era muito boa no que fazia.
— Certo, sra. Milan — enfatizei seu nome falso para que ela compreendesse meu comprometimento. — Parece que eu sou a sua nova Garota do Calendário. ”

É com o coração apertado por deixar sua irmãzinha Madison, sua melhor amiga Ginele, e, claro, seu pai que continua em coma, para trás, que ela parte para Malibu. Mia começa sua jornada sem saber o que pensar direito, está cheia de dúvidas e medos, mas precisa encarar tudo o que vier, pelo seu bem e da sua família. Seu pensamento é que esse será um ano odioso, em que ela terá que colocar sua vida em espera, deixar seu sonho de se tornar atriz para trás e lidar com todo tipo de gente rica e falsa. Porém, ao encontrar cara-a-cara com seu primeiro cliente, de repente o ano parece mais promissor.

Wes, o roteirista milionário, lindo de babar e que é um delicioso surfista nas horas vagas, se mostra atencioso e amigável, fazendo de tudo para que a estadia de Mia, durante o mês de janeiro em sua vida, seja agradável e até mesmo inesquecível... Ele a contrata para acompanhá-lo em eventos e tirar da cola dele as socialites e piriguetes sanguessugas, para que ele possa socializar e fazer novos contatos em paz. 

Mia e Wes sentem uma atração instantânea, porém, a gata não está lá para outros fins além dos profissionais e não deseja se envolver. Mia está "fechada para balanço" e, após suas relações desastrosas, ela finalmente decidiu que é melhor deixar seu coração trançadinho e comportado para não fazer mais estragos. No entanto, a atração entre eles cresce a cada minuto, o que os leva a um acordo de "só sexo, sem amarras" afinal, ela estaria partindo dentro de um mês para o próximo cliente. Maaas, como bem sabemos esses acordos são "furada" e logo Wes se mostra apaixonado por Mia, tão apaixonado a ponto de se oferecer para pagar a dívida da moça para tê-la apenas para si. Porém, nossa protagonista que não é mole não, já teve sua cota de romances sem alicerce e decide que está na hora de encarar a vida de cabeça erguida, enfrentar todas as lutas que estão por vir e deixar que alguém salde sua dívida não é o caminho. 

“— Como é que eu vou deixar você ir embora daqui a oito dias? — Seu olhar e o aperto firme de
sua mandíbula enfatizaram a seriedade de sua declaração.
Respirei fundo e olhei fixamente em seus olhos. Aqueles que passei a adorar, mais que quaisquer
outros.
— As coisas são como são. Tem que ser assim — eu o lembrei.
Ele se inclinou e encostou a testa na minha.
— E se eu não quiser que seja? — Ele perguntou a única coisa que havíamos concordado que não
deveria ser dita. O pensamento, a mera sugestão de mais, ia contra tudo o que havíamos negociado
quando assinei o contrato. E também poderia quebrar as regras que ele estabeleceu na primeira vez
em que transamos, mais de duas semanas antes.”

Minha experiência com essa leitura foi muito deliciosa. A história é gostosa, muito rápida de ler e fácil de se envolver. Os personagens cativam de cara, Mia é uma protagonista forte e decidida, muito humana em suas atitudes e pensamentos, tornando-se quase real em alguns momentos. Sua decisão de não ser a "donzela em perigo", típica da maioria dos livros, foi o que me atraiu nela, além de não ser do tipo "mimizenta". Aqui temos uma protagonista que, assim como — creio eu —, a maioria dos leitores vão virar a cara ao ver o termo "acompanhante de luxo", mas que, devido as circunstâncias, precisará recorrer a isso. E nos mostrará um lado não degradante desse tema, como muitos livros optam por mostrar. Mia é uma personagem empoderada, dona de suas decisões, de seu corpo e suas vontades, que resolve encarar uma situação deveras conturbada como uma jornada de autoconhecimento e descobrimento do que a vida tem de melhor a lhe proporcionar.


Sobre o Sr. Janeiro, Weston é completamente apaixonante com seu sorriso fácil e sua personalidade alegre. Acredito que deve ter arrebatado boa parte das leitoras de cara. Ele é um "bom moço", que sabe a hora de ser safadinho, mas sem perder o ar de lorde, haha. Os personagens secundários, como Madison, Ginele, tia Millie, entre outros, nesse primeiro livro apenas apontam seu lugar na vida da protagonista e dentro da história, e terão suas personalidades melhor desenvolvidas ao longo da série.

Uma dica a quem desejar se aventurar junto com Mia, faça a leitura de mente aberta, não comece com ideias pré-concebidas ou algum tipo de julgamento. Deixe que a escrita de Audrey Carlan te surpreenda, porque, por mais que o livro seja um romance sensual clichê, ele traz um "algo mais" que torna essa leitura tão única e agradável. 




Próximo livro da série:

1. Saraiva


1 comentários :

  1. Estou lendo a história, já completei até abril e concordo com vc no quesito "ter a mente aberta". Parabéns pela resenha!

    ResponderExcluir