Entrevista: Mia Klein



O Blog Carpe Diem Literário entrevistou a autora Mia Klein, nascida em Brasília, mas que passou sua infância no Rio de Janeiro. Mãe e esposa, hoje mora em Minas Gerais, além de fazer faculdade de Direito. Seu primeiro romance foi Amor em Londres e depois disso não parou. A autora já está em seu 5º livro lançado, sendo eles: Coração Arredio, Um Inesperado Amor, O Guardião e Um Romance Quase de Cinema, que na primeira semana de lançamento ficou em primeiro lugar como o e-Book mais vendido da Amazon. Confira nossa entrevista com a autora!


1 - Conte-nos um pouco sobre você.



Eu nasci em Brasília, mas passei muitos anos da minha adolescência no Rio de Janeiro. Como vivo atualmente em Minas Gerais, as pessoas me perguntam de onde eu venho, pois é uma mistura de sotaque. Somando a isso, eu vivi na Argentina e isso também afetou a minha maneira de falar. Sou mãe e esposa.


2 - Como você descobriu seu dom para a escrita? 


Eu sempre gostei de ler e sempre suspirei nos romances que eu lia, porém sempre senti vontade de ler uma história que para mim seria 100% perfeita para a minha imaginação. Então, eu conheci a rede social de livros wattpad. Resolvi colocar os primeiros capítulos de Amor em Londres. Eu não esperava que fosse fazer tanto sucesso. Eu fiquei com muito medo de receber críticas, mas não aquelas que me pudessem melhorar na escrita e sim aquelas que acabam com o psicológico de qualquer um! Haha! 

3- Você já escrevia quando era criança/adolescente, ou somente começou quando adulta?

Só depois de adulta eu tive coragem mesmo de escrever o que se passava pela minha cabeça.



4- Como ocorre seu processo de criação? Você busca inspiração em algo ou a história simplesmente flui e você a transcreve? Tem algum horário em que se sinta mais a vontade para escrever? 

Eu gosto muito de escutar música. Se eu escrevo uma cena hot, escuto música sensual; se estou escrevendo brigas, coloco um rock. E assim a inspiração ataca a minha imaginação e eu vou escrevendo. Não tenho um processo com início, meio e fim. Costumo escrever inclusive o final do livro mesmo ainda estando no início. À noite, é mais fácil eu me inspirar, pois o marido vai dormir e o filho também, então eu fico apenas na frente do computador com meu fone e escrevendo o que vem à cabeça.

5- Quanto tempo, em média, você leva para escrever um capítulo? 



Eu não tenho um tempo fixo, pois é muito comum eu também não estar inspirada quando me sento para escrever. Já passei dois a três dias sem terminar um capítulo, como também já consegui escrever quatro ou mais capítulos em um mesmo dia. Depende. 


6-Você tem algum escritor (a) que é seu referencial na escrita? 

Na minha escrita atual eu não tenho, pois é erótico, mas já tive autor que alimentou a minha vontade de escrever. Pedro Bandeira com sua escrita me fez ter uma infância maravilhosa e despertou em mim essa vontade de ler e ler muito. 


7- Têm algum, ou alguns, autor (es) favorito (s)? Se sim, qual ou quais? 

Pedro Bandeira, Carina Rissi, Dan Brown (alguns livros, não todos), Rochelle Mead, são váaarios.

8- Algum livro ou autor te inspirou ou inspira? 

Quando não quero escrever, procuro livros de acordo com o meu momento. Agora estou procurando livros como A seleção de Kiera Cass. AMO essa coleção. Então, no momento, eu posso dizer que estou com vontade de escrever algo romântico. Depende do dia. Cada autor que leio me inspira em um momento distinto dos meus livros. 

9- Tem algum livro ou personagem favorito? 

A Seleção ainda mexe comigo porque é um livro infanto-juvenil tão fofo e tão mágico. Conto de fadas moderno! 

10- Qual o seu personagem favorito dentre os livros que já escreveu? Por quê? 

De todos, o que eu tenho amor ETERNO é o Theo Trento de Amor em Londres. Ele é tão enigmático e inconstante que se parece com um homem real e não tão perfeito como nos livros. 

11- Qual a cena mais difícil que já escreveu? E qual a que mais gostou? 

A cena mais difícil de escrever ainda é a cena de sexo. Detalhar e tentar passar os sentimentos por trás do sexo entre os casais dos meus livros me faz parar para raciocinar o tempo inteiro. “E o que ela faria agora?” “Será que o cara deve investir agora?”. Haha! Complicado demais. 

A cena que eu mais gostei de tudo que eu já escrevi? Difícil pensar. Acho que quando Sophia dança na discoteca provocando o Theo. Daí quando ele sai atrás dela no meio da rua à noite, morto de ciúmes, e a beija encostando-a no carro parado na calçada. Ahhh! Essa definitivamente foi algo que eu adorei! 

12 – Teve algum momento crítico enquanto escrevia que a fez pensar em desistir? 

Ainda não me ocorreu desistir. Eu recebi duras críticas na Amazon com Amor em Londres. Eu fiquei abalada, machucou, mas foram tantas outras maravilhosas que eu concluí que talvez os gregos e os troianos jamais entrariam em um acordo! Haha! 

13- Algum personagem de suas histórias é baseado em alguém de sua vida real?

Não. Somente em um Inesperado Amor (o conto). Sou eu mesma no conto. História totalmente real sobre meu casamento com um argentino (ainda casada com ele e tenho um filho, argentino também, hahahaha).

14- Em Coração Arredio e Um amor quase de cinema, as personagens principais não possuem família, são sempre amparadas por algum melhor amigo. Há um motivo para isso? Ou é apenas proposital mesmo?

Eu sempre mato a família, né? Realmente, eu faço de propósito. Perdi meu pai muito cedo e, apesar de ter uma mãe e irmão, ainda sinto doer e quando penso em uma personagem, eu quero que ela consiga enfrentar a vida sem ninguém.

15- (Adriana - leitora) Você pensa em viver da escrita?

Não consigo ver um futuro somente com os livros. Eu faço Direito e quero advogar. Escrever é um hobby que me diverte muito. Os comentários das leitoras são ótimos! É como assistir à uma série de TV que você ama.

16- Como é a sua relação com seus leitores? 

Eu procuro conversar com os leitores através do wattpad, widbook e as outras redes sociais que participo. Eu amo quando comentam porque eu sei se estão gostando ou não. É muito importante a interação porque eu também sou leitora e quando eu babo em um livro, eu vou atrás do autor para falar da minha experiência com o seu livro. Quando sou bem recebida eu fico bobaaaa! Então, se alguém para um tempo na vida para ler algo que eu escrevi... Como eu posso ignorar? JAMAIS! Eu fico lisonjeada! 

17- (Vick- leitora) Como foi para você escrever uma história em que a personagem principal sofre violência doméstica?

Bem, eu resolvi escrever sobre isso porque conheci uma mulher que estudou comigo e comentou o quanto ela sofreu nas mãos do ex-marido. Daí, assistindo televisão eu vi o quanto aumentou a quantidade de mulheres nessa situação, até mesmo após a lei Maria da Penha. 

18- Como lida com os comentários e críticas dos leitores? Já recebeu alguma crítica que te fez pensar em desistir de escrever? 

Eu recebi uma crítica na Amazon em Amor em Londres que eu fiquei muito triste. Foi um tapa na cara, mas dei a volta por cima. Faz parte escutar palavras duras. Já escutei alguns comentários no wattpad querendo me deixar mal, porém as pessoas me mandaram no privado e eu respondi com o maior respeito em minha defesa. Mas, até hoje ainda não senti vontade de desistir. O que eu faço, é parar um tempo de escrever para ler, afinal eu adoro viajar também! <3 Sou piriguete literária! 

19- Como autor (a), quais seus sonhos e objetivos? 

Como autora eu não desejo muito ainda. Talvez eu devesse ser mais ambiciosa. Eu escrevo por amor, mas não faço disso o meu objetivo profissional, por isso me limito aos meus leitores e quando posso publico em livro físico. 

20- Como seus personagens surgiram? Inspirou-se em alguém para criá-los? 

Eu não me inspirei em ninguém especificamente. Mas, os dotes físicos... Esses sim eu sempre procuro um ator ou modelo que se encaixem com o que vem na minha cabeça e a partir de suas fotos eu detalho. Já peguei ator que era mocinho em novelas e o transformei em um monstro em meu livro. 

21- O Wattpad, Widbook e Luvbook tem sido meios muito importantes para os novos escritores divulgarem suas histórias. Conte-nos como foi sua primeira experiência com uma dessas plataformas e como foi a repercussão da sua primeira obra postada. 

Amor em Londres foi o meu primeiro romance no wattpad. A recepção foi MARAVILHOSA! Só escrevi os demais livros porque tive muitas pessoas que me apoiaram. Pessoas que não me conheciam. Foram críticas construtivas e muitos comentários legais! Eu não paro de escrever por causa disso. Quando eu peço comentários e críticas, eu levo a sério o que as pessoas escrevem porque elas estão do outro lado, lendo e interpretando a história. Sem elas, eu não conseguiria seguir. Widbook me recebeu de braços abertos e apesar do público ser menor, eu valorizo muito quem está lá. Sobre o Luvbook eu estou no início e já recebo feedback de algumas pessoas. Espero que essa plataforma cresça bastante, pois eu a acho linda!



22- Qual a maior dificuldade que você considera em publicar seus romances?



Eu procuro sempre promover o livro por meio do facebook chamando as pessoas para lerem. Essa é a parte complicada. Não quero ser aquela autora chata que marca todo mundo, então eu vou em cada grupo e publico, mas mesmo assim fico com vergonha por parecer enjoada. Fora isso, eu escrevo e publico nas redes sociais com muito amor. Não tenho reclamações.

23- Qual foi a pessoa que mais incentivou você a escrever e publicar suas histórias em uma das plataformas de escrita?

Ninguém havia comentado comigo sobre essa plataforma. Eu procurei aleatoriamente quando eu pensei se existia ou não uma rede social assim. Sobre incentivo, eu não comentara com ninguém sobre escrever para todos. Só depois que comecei a publicar no wattpad que comentei com o meu esposo. Inclusive, depois ele me ajudou com ideias. “Amor, o que você faria se uma mulher te falasse tal coisa?”, ele então respondia e eu analisava a resposta e a transformava para colocar no livro. Foram poucas vezes, mas que ajuda boa que eu tive.

24- Qual os seu conselho para os jovens escritores que estão surgindo?

Não desistam, doa o que doer! Frase simples, mas eu acredito fielmente nela porque assim eu vivi até agora. Vão escutar gente te rebaixando? Sim. Mas, não importa. Continue se for o seu sonho. Siga em frente, seja feliz e divirta-se! J

25 – Você tem novos projetos em mente? Se sim, poderia nos contar um pouco sobre o que se tata a obra?

Eu estou escrevendo atualmente Um romance quase de cinema. Ele está sendo postado no Wattpad. Eu quis fazer algo bem clichê porque eu AMO clichê. Um ator de Hollywood, uma brasileira e um ex-problemático.
Esse livro eu tentei abordar rapidamente, mas não tão profundamente o problema da violência doméstica. Meu intuito foi fazer um romance lindo e não focado no drama de uma relação problemática. Digo isso porque eu sou muito romântica e procuro ler livros que mostrem a superação da pessoa. Não sou fã de thriller que aborda temas assim do início ao fim. Por isso, quem for ler, se deparará com um drama no início, mas depois será um romance doce e quente ao mesmo tempo.
Michelle Dantas é a protagonista da história. Uma jovem brasileira que foi abandonada em um orfanato quando criança. Apesar da fragilidade da situação, ela dá a volta por cima, mesmo vivendo um relacionamento problemático com seu noivo. Mas, a vida é uma caixinha de surpresas e o mais improvável acontece com ela: conhece um famoso ator Hollywoodiano que transforma totalmente a sua realidade. Se ela pensava que histórias inusitadas aconteciam somente em filmes, Michelle terá uma grande surpresa em viver essa história de amor. Machucada por um relacionamento abusivo encontra a chance de viver um conto de fadas. Mas ela se permitirá sentir o sabor da fama e de um amor sem que suas cicatrizes não destruam esse recomeço?

26- Como você se vê daqui a cinco anos profissionalmente? Quais são seus sonhos e expectativas referentes à escrita?

Eu não penso muito nisso. Sou uma pessoa de momento. Espero continuar escrevendo bastante porque eu gosto de inventar e, como não sou diretora, roteirista nem faço nada relacionado a teatro, cinema ou novela, coloco minha imaginação no papel para que as pessoas possam ler e fugir um pouco da realidade. Minha escrita talvez melhore ou não, para isso eu preciso dos leitores. Eu não sou tão autocrítica a ponto de dizer que melhorei. Preciso dos outros e por isso incentivo os comentários.



1 comentários :

  1. Obrigada pelo carinho e amor de vocês! Sempre me sinto especial! <3

    ResponderExcluir