Resenha: Dumplin’ - Julie Murphy

Título: Dumplin’
Autor (a): 
Julie Murphy
Edição: 2017
Nº de Páginas: 300
Editora: Valentina



Sinopse: Especialmente para os fãs de John Green e Rainbow Rowell, apresentamos uma destemida heroína e sua inesquecível história sobre empoderamento feminino, bullying, relação mãe e filha, e a busca da autoaceitação. Sob um céu estrelado e ao som de Dolly Parton, questões como o primeiro beijo, a melhor amiga, a perda de alguém que amamos demais e “estou acima do peso e ninguém tem nada com isso” fazem de Dumplin’ um sucesso que mexerá com o seu coração. Para sempre. Gorda assumida, Willowdean Dickson (apelidada de Dumplin’ pela mãe, uma ex-miss) convive bem com o próprio corpo. Na companhia da melhor amiga, Ellen, uma beldade tipicamente americana, as coisas sempre deram certo... até Will arrumar um emprego numa lanchonete de fast-food. Lá, ela conhece Bo, o Garoto da Escola Particular... e ele é tudo de bom. Will não fica surpresa quando se sente atraída por Bo. Mas leva um tremendo susto quando descobre que a atração é recíproca. Ao contrário do que se imaginava – a relação com Bo aumentaria ainda mais a sua autoestima –, Will começa a duvidar de si mesma e temer a reação dos colegas da escola. É então que decide recuperar a autoconfiança fazendo a coisa mais surreal que consegue imaginar: inscreve-se no Concurso Miss Jovem Flor do Texas – junto com três amigas totalmente fora do padrão –, para mostrar ao mundo que merece pisar naquele palco tanto quanto qualquer magricela.





Willowdean Dickson, ou Dumplin’, como é chamada pela mãe — apelido carinhoso, mas não tão legal assim — é uma adolescente que está passando por grandes mudanças em sua vida mesmo que não perceba. Will está bem acima do peso imposto pela sociedade como ideal, mas está bem com isso — ou achava estar.  Ela mora em uma pequena cidade do Texas, onde o ponto alto do ano, e da vida de cada uma das mulheres da cidade, é o concurso Miss Jovem Flor do Texas, do qual a mãe de Will é coordenadora. Todo ano quando chega o período do concurso, a vida de sua mãe gira em torno dele, uma vez que ela foi uma das vencedoras do concurso em sua juventude e é uma das favoritas até os dias atuais. E para Will, isso não passa de uma futilidade.



Will trabalha em uma lanchonete e tem um crush por seu companheiro de trabalho, Bo, um jovem introspectivo e muito reservado, mas muito bonito e charmoso (aquele ar de bad boy, mistério que não tem como resistir). Will não alimenta esperanças de que ele corresponda seus sentimentos, por mais bem resolvida que ela possa ser, entretanto, o que ela não sabe é que Bo corresponde a seus sentimentos. Tudo começa com pequenos olhares, pequenos gestos... até o momento do grande primeiro beijo — para Will, foi realmente o primeiro beijo —, que não foi nada romântico, mas teve química, que é o que importa. 

Enquanto Will está dando seu primeiro beijo, sua melhor amiga Ellen, já está dando passos maiores com o namorado, o que a deixa um pouco incomodada e enciumada, uma vez que sua amiga agora, por conta da nova experiência, parece diferente e está expandindo as amizades também. Na mente de Will sempre foram apenas Will e El, desde crianças quando, graças ao amor da tia de Will e da mãe de El por Dolly Parton, as duas se tornaram amigas — aliás todo o livro vai ser regado a Dolly Parton —, mas agora que a amiga está fazendo novas amizades, ela enxerga isso como uma espécie de ameaça, já que, ao contrário de Ellen, Will tem mais dificuldade de socializar.

Também pudera, quem conseguiria fazer amizade facilmente uma vez que é alvo de Bullying? Por ser "diferente", Will sofre preconceito tanto de seus colegas de escola, como da sociedade e até da própria mãe que, como ex-miss, não consegue aceitar que a filha esteja acima do peso. E todas essas questões começam a se intensificar a partir do momento em que Will e Bo começam a ficar. Ela se torna mais consciente de seu corpo e começa a internalizar tudo o que dizem sobre ela, fazendo com que duvide de si mesma. 

Com sua autoconfiança abalada, Will começa a perceber outros pontos de sua vida que estavam deficientes, como o fato de que ela ainda não conseguia lidar com a perda de sua tia, fato que lhe causou grande abalo, porém ainda não havia se permitido perceber isso. Sua relação de amizade com Ellen começa a sofrer rupturas, a relação com sua mãe se torna ainda mais turbulenta e, o principal, sua relação com seu próprio corpo, pois Will começa a ter preconceito consigo mesma.

Em um momento de loucura ou de grande coragem, ela decide que, para voltar as boas com sua aparência, irá participar do tal concurso e esse seu ato de coragem será um incentivo que outras garotas, que também não se encaixavam no "padrão", precisavam para se fazerem ser vistas como mais do que pessoas que não atendem aos padrões de beleza, e sim como pessoas capazes com suas belezas e valores singulares. 

“ A vida inteira tive um corpo digno de comentários, e se há uma coisa que viver na minha pele me ensinou foi que, se o corpo não é seu, você não tem direito de dizer nada. Seja a pessoa gorda, magra, alta ou baixa, não interessa. ”

Durante o concurso, Willowdean passará por diversas transformações e mudanças, viverá um turbilhão emocional, ganhará diversas novas experiências e lidará com seus !fantasmas". Será um período de grande crescimento e amadurecimento que só fortalecerá sua personalidade, e assim ajudará a mais pessoas que, como ela, estiveram na sombra da sociedade por conta de preconceitos bobos.

“[...] Acho que, às vezes, a perfeição que vemos nos outros é feita de mil pequenas imperfeições, porque tem dias em que a porcaria do zíper do vestido não sobre de jeito nenhum.”

Dumplin’ é um livro Jovem Adulto que aborda questões como Bullying, preconceito, luto, primeiro amor, amizade, entre outros temas que são pertinentes a fase da adolescência. A autora conseguiu falar de todos esses temas de forma leve, com graça e humor, o que torna a leitura muito fluída e divertida. Aqui temos um protagonista que não tem vergonha de se assumir gorda, uma vez que a palavra não é um insulto ou palavrão — ou pelo menos não deveria ser. Will tem uma personalidade e gênio forte — também, tinha que ser leonina... — que vão servir para que ela possa encarar toda essa fase da adolescência em que se enfrenta essa transição da infância para a vida adulta, e os problemas começam a se tornarem reais e o impacto social é bem maior.



Como uma pessoa que está acima do peso, Will vê dificuldade para tudo, desde encontrar uma roupa legal que sirva, até sair para uma piscina, pois sempre tem alguém olhando e apontando. E ela precisa lidar com esse tipo de situação até mesmo em casa. A autora nos leva através da mente da protagonista que está cheia de dúvidas e receios, e todos são tão reais e honestos... Amei isso na história. 

“ Porque a palavra gorda deixa as pessoas constrangidas. Mas, quando alguém me vê, a primeira coisa que nota é o meu corpo, E o meu corpo é de uma gorda. Por exemplo, eu posso notar que algumas garotas têm peitos grandes, cabelos oleosos ou joelhos assudos. São coisas que é permitido dizer sem rodeios. Mas a palavra gorda, que é a que melhor me descreve, deixa as pessoas desconfortáveis.
Mas essa sou eu. Gorda. Não é nenhum palavrão. Não é nenhum insulto. Pelo menos, não quando eu digo, Por isso, sempre me pergunto: porque não chutar logo de uma vez para longe essa pedra do caminho?”

O romance não é o ponto alto desse livro, porém é o ponto de partida. Aqui conhecemos Bo, um jovem muito bonito, o crush da mulherada, porém é um cara difícil de lidar, mas que consegue se abrir aos poucos com Will (como eu amo esse tipo de boy de cara, já crushei nele, haha). Temos também personagens secundárias que nos cativam por conta de sua história de vida e superação, como elas conseguem aos poucos quebrar as barreiras do preconceito e serem felizes consigo mesmas, que é o mais importante.

“[...] — Às vezes, descobrir que você é implica entender que o ser humano é um mosaico de experiências. Eu sou Dumplin’. Will e Willowdean. Gorda. Feliz. Insegura. Corajosa.”

Julie Murphy foi muito feliz em sua história, eu muitas vezes me vi no lugar da Will, porque realmente os gordinhos sempre são alvos de bulliyng e a sociedade muitas vezes não colabora. É como se estar acima do peso fosse um crime ou algo assim. E Will consegue passar por essa fase tão complicada que é a adolescência e sair vitoriosa e empoderada. Um livro que eu super indico para todos os públicos, mas em especial para os jovens. Torço para, quem sabe, haver uma continuação dessa obra.


0 comentários :

Postar um comentário