Resenha: A Pequena Livraria dos Corações Solitários - Annie Darling

Título: A Pequena Livraria dos Corações Solitários
Autor (a): Annie Darling
Edição: 2017
Nº de Páginas: 308
Editora: Verus



Sinopse: Era uma vez uma pequena livraria em Londres, onde Posy Morland passou a vida perdida entre as páginas de seus romances favoritos. Assim, quando Lavinia, a excêntrica dona da Bookends, morre e deixa a loja para Posy, ela se vê obrigada a colocar os livros de lado e encarar o mundo real. Porque Posy não herdou apenas um negócio quase falido, mas também a atenção indesejada do neto de Lavinia, Sebastian, conhecido como o homem mais grosseiro de Londres. Posy tem um plano astucioso e seis meses para transformar a Bookends na livraria dos seus sonhos — isso se Sebastian deixá-la em paz para trabalhar. Enquanto Posy e os amigos lutam para salvar sua amada livraria, ela se envolve em uma batalha com Sebastian, com quem começou a ter fantasias um tanto ardentes. Resta saber se, como as heroínas de seus romances favoritos, Posy vai conseguir o seu “felizes para sempre”. O primeiro livro da série A Livraria dos Corações Solitários!


Finalmente um livro de capa fofinha que não é uma tragédia e sim uma boa comédia!

Posy Morland viveu a vida toda enfiada nos livros. Seus finados pais cuidavam da Bookends desde que ela possa se lembrar. A livraria não somente faz parte da sua vida, mas também é a sua vida, foi nela que Posy encontrou conforto e abrigo após a prematura morte de seus pais. Ela e Sam, seu irmão caçula, moram no apartamento no segundo andar da livraria, que já teve seus dias de glória, porém, caiu em decadência. Com a concorrência acirrada do mundo literário, livrarias de maior renome estavam decretando falência e a Bookends não estava longe disso.

Com a morte de Lavinia, a proprietária da livraria, as coisas se tornam ainda mais complicadas. Enquanto viva, a excêntrica senhora conseguiu manter vivo o legado de sua família, uma vez que a livraria está de pé há pelo menos 100 anos e representa, não somente uma parte de sua história de vida, mas a história da cidade. O lugar era o orgulho de Lavinia e, sabendo que somente Posy amaria aquela livraria tanto quanto ela, em seu testamento, a gentil senhora deixa a Bookends para Posy que, mesmo em meio ao luto, sente-se grata e feliz, mas também preocupada, pois não sabe como deve proceder. 

Por mais bem-intencionada que seja, Posy nunca assumiu riscos em sua vida, deixando-se sempre ser levada pelas circunstâncias. Ela sabia que amava ler e se perder em seus romances, ninguém conhecia romances como ela, porém, não fazia ideia de como levantaria a loja novamente, e até mesmo seus colegas de trabalho duvidavam de sua capacidade, embora nunca a deixassem na mão. No entanto, ela precisava resolver a situação – e logo —, pois não somente a livraria estava em jogo, mas também o emprego de seus amigos e seu próprio lar. Sem a Bookends, ela e Sam estariam na rua. 

Como se já não fosse suficiente todos os seus problemas e sentimentos conflituosos, Sebastian, único neto de Lavinia, passa a ser uma presença — incomoda — constante em sua vida. Conhecido como o homem mais grosseiro de Londres ,— o que para ele é quase um elogio — ele não faz rodeios em dizer a Posy que ela não conseguirá reerguer a livraria e que seria melhor deixar o negócio nas mãos dele — Uma vez que ele é um ótimo empreendedor, tendo criado um App de sucesso ao estilo Tinder. Irritante, sem tato e sem a mínima capacidade de ouvir opiniões contrarias a suas, — pelo menos na opinião de Posy — Sebastian passa a atormentar a vida da pobre mulher que, finalmente, tem uma ideia que poderá salvar a Bookends e torná-la uma das livrarias mais conhecidas de Londres, quiçá do mundo. E para isso, ela terá de empregar toda a astucia e inteligência aprendidas com suas heroínas favoritas em seu plano! 

“Não adiantava querer explicar para Sebastian como era bom abrir um livro novo e inspirar aquele aroma maravilhoso. Ou o cheiro poeirento, quase terroso, dos livros velhos. Sentir o peso reconfortante de um romance no colo, ou deixar as páginas umedecerem ou ondularem enquanto se lê na banheira. Ele não entenderia. ”

Entre as preocupações com a reforma da livraria, os cuidados com seu irmão, a necessidade de se desapegar de fatos do passado,e os desentendimentos com Sebastian, Posy encontra uma forma de liberar todo o seu dessabor com o cretino que não a deixa em paz. Porém, essa forma de catarse pode acabar se voltando contra ela, fazendo-a perceber que talvez não desgoste tanto assim de Sebastian quanto pensa.

A Pequena Livraria dos Corações Solitários é uma comédia romântica divertida e fofa, em que acompanhamos o dilema de uma mulher que precisa aprender a tomar responsabilidades e se arriscar, pois, aos 28 anos Posy nunca saiu de sua zona de conforto. Ela se perdeu entre as páginas de seus amados romances e esqueceu de viver no mundo real, se prendeu a memórias passadas e não seguiu em frente. No decorrer da trama, podemos ver que, aos poucos, ela vai se libertando e amadurecendo. Mas é claro todo esse processo é regado a muita comédia. As bookholics com certeza se identificaram com a mocinha deste livro em muitos momentos, assim como eu. 

Quanto a Sebastian, — ai gente, tenho um crush por esse nome — ele se apresenta como um personagem irritante que nos leva juntamente com a protagonista ao limite da paciência, porém, lá bem lá no fundo, ele tem um bom coração e boas intenções. Os personagens secundários têm grande participação na trama e acabamos nos envolvendo com eles e também ficamos curiosos por saber mais sobre suas vidas. O livro também aborda suavemente o empoderamento feminino e o machismo.

Uma leitura gostosa, divertida e rápida, que deve agradar aos fãs de romance que amam finais felizes e referências literárias


1. Saraiva
2. Amazon

1 comentários :

  1. OOi Kessia!
    Aii eu não gostei muito desse livro, por causa do Sebastian, ele é arrogante e machista, pisava demais na Posy, e no fim tudo deu certo... Sei lá, achei Sebastian forçado demais!

    Beijinhos!
    Amanhecer Literário

    ResponderExcluir