Resenha: Quando a Bela domou a Fera - Eloisa James

Título: Quando a Bela domou a Fera
Título Original: When beauty tamed the beast
Autora: Eloisa James
Tradução: Thalita Uba
Nº de Páginas: 320
Edição: 2017
Editora: Arqueiro


Sinopse: Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher.
Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas.
No entanto, Linnet não faz ideia do perigo que seu coração corre. Afinal, o homem a quem ela o está entregando talvez nunca seja capaz de corresponder a seus sentimentos. Que preço ela estará disposta a pagar para domar o coração frio e selvagem do conde? E Piers, por sua vez, será capaz de abrir mão de suas convicções mais profundas pela mulher mais maravilhosa que já conheceu?

Linnet, uma moça linda, de boa família, é considerada o melhor partido da temporada. E sua fama ganha maiores proporções ser cortejada por um príncipe lindo e charmoso. Herdeira de um charme nato advindo de sua mãe, todos os cavalheiros solteiros querem ter uma oportunidade com a moça e não é espanto algum ver o príncipe encantado por Linnet. No entanto, Linnet já mais previu que um mal entendido a transformasse uma pária da sociedade e ela ver seu reinado desmoronar sem poder fazer nada a respeito. E até aquele em quem ela chegou a acreditar ser um bom homem, não faz nada para desfazer o mal entendido. 

Para recuperar sua reputação e ter um bom casamento, Linnet acaba aceitando embarcar no plano criado por seu pai e tia, e em poucos dias parte para o interior de Gales junto com seu possível sogro para conhecer seu futuro marido. No entanto, ela não esperava de forma alguma encontrar um ogro no lugar do seu noivo.

Piers, o conde de Marchant, mais conhecido como a Fera por seu gênio um tanto quanto difícil. Piers é um médico talentoso, mas que espanta todos ao seu redor com seu humor nada agradável e sua língua mordaz. Mas, o que ele não esperava era ver seu pai chegar em sua casa com uma noiva a tiracolo e para ele. E a futura noiva, uma mulher manipuladora (segundo o conde), já chega conquistando todos com seu charme e carisma. E sua beleza, é claro. 

E assim se inicia a missão de Linnet: ganhar o coração do noivo. Porém, Piers não aceitará ser manipulado por seu pai, muito menos por uma mulher. Bem verdade que ele a acha linda e há uma atração entre eles, sem falar na forma como ela o enfrenta quando todos abaixam a cabeça ou saem correndo. Mas, ele não permitirá que ela penetre seu coração, se é que ele tem um.


“No fundo, ela não tinha medo de perder sua reputação… Tinha medo de perder seu coração.”

O livro é narrado em terceira pessoa, tendo como espaços a cidade de Londres e o interior de Gales, onde se passa maior parte da história. A forma como a autora descreve os costumes, as relações pessoais entre as pessoas que moravam no centro de Londres e aqueles que moravam em interior, é algo maravilhoso. Acho que esse foi o primeiro livro em que sentir essa diferença, principalmente no que diz respeito as convenções sociais.

A autora também me ganhou pela forma como ela demonstra conhecimento em relação a forma como a medicina era praticada no período abordado na obra e em como os menos favorecidos sofriam quando ficavam doentes e não tinham como arcar com gastos médicos.

E eu me encantei pelos personagens. A Eloisa James conseguiu criar uma história linda, original, mantendo apenas alguns elementos do conto original, A Bela e a Fera, dando ainda mais beleza para o enredo.

Linnet não é apenas uma moça bonita, ela é forte, inteligente e sonhadora. Claro que ela sabe o quanto é bonita e usa essa fato a seu favor quando quer. Mas ela é mais que isso. Ela é uma moça generosa, que ama ler e adora aprender coisas novas. E por todos, inclusive seu pai, achar que ela é igual a sua falecida mãe, acredita que ninguém está interessado nela além de sua beleza e educação. E a autora foi precisa em abordar isso. Quantos não são levados a valorizar mais a beleza do que as qualidades pessoais, interiores? A sociedade prega tanto valores supérfluos, que muitos se sentem diminuídos, fora do padrão.


"As pessoas querem que uma lady seja linda, mas esperam que ela seja uma verdadeira dama, ou seja: meiga, obediente e refinada."

Piers, por outro lado, é um homem que não se importa com o que a sociedade pensa a respeito dela, se as pessoas o julgam por sua impaciência e rispidez. Ele é inteligente, direto (sua sinceridade chega até a doer em que está lendo) e muito talentoso. O conde é considerado um dos melhores médicos da sua época, procurado por milhares de pessoas. E é aqui que vemos que essa pose de durão não passa de uma forma de mascarar o quanto ele se importa com o próximo, em lutar pela saúde e cura de seus pacientes, sejam eles ricos ou pobres. E mesmo tendo um defeito na perna, ele não fica se lamentando, ao contrário, até mesmo faz piadas em relação a sua deficiência.

Outro ponto positivo da obra é que, a autora não foca na relação sexual, no desejo carnal. A sensualidade é abordada através de toques, olhares, beijos, diálogos. E é lindo ver essa interação entre os dois, a forma como Linnet começa a se redescobrir, desabrochar, mostrar quem realmente ela é e em como isso também mudará Piers de alguma forma. 

"O beijo dele não era uma adoração gentil. Era uma carícia selvagem, um beijo louco e apaixonado, tumultuado, roubado. Instintivamente, os braços dela envolveram o pescoço dele. Piers tinha o gosto do chá que bebera no café da manhã e de uma substância mais selvagem: desejo.
Era o tipo de beijo que um cavalheiro nunca, jamais, daria em uma dama.
E Linnet estava adorando. "


Os personagens secundários também foram essenciais para o desenvolvimento da narrativa, principalmente Sebastian, primo de Piers. Eles cresceram juntos e ingressaram na mesma profissão, sempre foram muito unidos e isso não mudou com o tempo. E mesmo sendo lindo, o tipo de homem que Piers acredita que as mulheres não resistam, ele também sabe o valor que o primo tem. Mesmo que às vezes, principalmente quando Linnet está por perto, ele sinta vontade de testar a força de seu punho na cara linda de Sebastian.

Para sua total surpresa, ele sentiu um rugido subindo por sua garganta. Ciúme, diagnosticou. Juntamente com uma pitada nojenta de sensibilidade egoísta. Não a quero, mas também não quero que ninguém tenha meu novo brinquedinho radiante.

O enredo é divertido, agradável, rica em detalhes culturais. É algo totalmente diferente, afinal, como disse, a história não se passa dentro dos salões londrinos. Eu fiquei encantada pelo enredo, pela escrita e pelos personagens. Uma obra que aborda o amor, o perdão e a amizade. Com toda a certeza eu recomendo a leitura. Esse é o tipo de livro que não tem quem não goste (a não ser que a pessoa não curta de forma alguma esse gênero). 


2. Amazon
4. Saraiva

0 comentários :

Postar um comentário