Resenha: Corte de Névoa e Fúria - Sarah J Maas

Título: Corte de Névoa e Fúria
Autor (a): Sarah J Maas
Edição: 2016

Nº de Páginas: 658
Editora: Galera Record


Sinopse: O aguardado segundo volume da saga iniciada em Corte de espinhos e rosas, da mesma autora da série Trono de vidro Nessa continuação, a jovem humana que morreu nas garras de Amarantha, Feyre, assume seu lugar como Quebradora da Maldição e dona dos poderes de sete Grão-Feéricos. Seu coração, no entanto, permanece humano. Incapaz de esquecer o que sofreu para libertar o povo de Tamlin e o pacto firmado com Rhys, senhor da Corte Noturna. Mas, mesmo assim, ela se esforça para reconstruir o lar que criou na Corte Primaveril. Então por que é ao lado de Rhys que se sente mais plena? Peça-chave num jogo que desconhece, Feyre deve aprender rapidamente do que é capaz. Pois um antigo mal, muito pior que Amarantha, se agita no horizonte e ameaça o mundo de humanos e feéricos. 



Corte de Névoa e Fúria inicia-se alguns meses após os acontecimentos de Sob a Montanha. Toda Prythian está tentando se reerguer depois das quase cinco décadas de sofrimento e terror nas mãos de Amarantha. Feyre agora é uma imortal, uma feérica nascida da junção dos poderes dos sete Grão-Senhores, conhecida por todos em Prythian, além de ser chamada como A Quebradora da Maldição. E ela está prestes a se casar com Tamlin, o Grão-Senhor da Corte Primaveril, o macho por quem ela enfrentou todos os perigos e desafios de Sob a Montanha, o seu grande e verdadeiro amor.... Porém, seu coração está angustiado, cheio de medos e dúvidas. Ela já não é mais a mesma, não depois de tudo o que sofreu, tudo o que viu e tudo o que precisou fazer para sobreviver e libertar não somente seu amor das garras da maldição lançada por Amarantha, mas também todos os feéricos de Prythian.

Feyre precisa se adaptar ao seu novo corpo de grã-feérica, e precisa se adaptar a sua nova vida do outro lado da muralha. E precisa mais que tudo lidar com o que fez para sobreviver, mas não sabe como. Suas ações e as coisas que presenciou a assombram tanto que mal consegue manter a comida no estômago, mal sabe o que é dormir por algumas horas sem acordar com pesadelos horrendos. Sua consciência a está consumindo de dentro para fora, tanto que sua aparência facilmente revela seu estado perturbado, ou seja, Feyre está definhando pouco a pouco. Mas, ela precisa segurar essa enxurrada de sentimentos enquanto lida com os preparativos de seu iminente casamento com Tamlin, que, assim como ela, tem de lidar com os traumas sofridos. No entanto, ele não se abre para ela, nem mesmo busca conversar sobre o que aconteceu, fazendo com que seu senso de proteção a sufoque e a reprima. A angustia da jovem imortal aumenta cada vez mais, quase a esmagando. 

Quando o momento do grande "SIM" chega, ela simplesmente não consegue seguir adiante e grita em seu íntimo para que qualquer um, qualquer um mesmo, a salve. E eis que alguém atende seu pedido. Rhysand, o Grão-Senhor da Corte Noturna. O macho com quem ela fez o acordo que ajudou a salvá-la e mantê-la sã durante os horrores de Sob a Montanha, aparece não somente para impedir o casamento, como para cobrar sua parte no acordo que fizeram. Sendo assim Rhys, leva Feyre para Corte Noturna "na maior cara dura", deixando Tamlin e seus convidados com cara de "taxo"!

Rhys consegue fazer com que a semana que Feyre passa em sua Corte seja altamente produtiva e informativa. E,enquanto está longe da Corte Primaveril, Feyre aproveita para pensar no rumo que sua vida está tomando e em todas as coisas que estão acontecendo. Quando finalmente retorna para Tamlin, ela começa a questioná-lo sobre as informações que obteve de Rhys. 

O Grão-Senhor da Corte Noturna havia lhe contado sobre possíveis poderes que ela talvez tivesse recebido ao ser trazida de volta pelos poderes dos Grão-Senhores, da mesma forma que ele a alertou sobre a ameaça de uma nova guerra que se aproximava, dessa vez muito maior e mortal que a de 500 anos antes. Tamlin, como sempre em seu deturpado senso de proteção a mantém no escuro. O Grão-Senhor praticamente deseja torná-la em uma esposa troféu, que não deve se preocupar com nada exceto cuidar da casa e procriar. — É, parece que o príncipe virou um chato que vive dando no meu saco...

Insatisfeita, machucada e transtornada Feyre não aceita a forma como Tamlin a tem tratado. Ao tentar discutir o assunto com ele, o Grão-Senhor da Corte Primaveril perde o controle de seu temperamento volátil e acaba por empurrá-la ainda mais para os braços de Rhys. O que a leva a embarcar em uma perigosa, mas necessária jornada ao lado do Grão-Senhor da Corte Noturna, juntamente com seus companheiros para tentar impedir que um antigo inimigo, que agora está mais forte que nunca, retorne. 

“ — A questão não é se amava você, é o quanto. Demais. Amor pode ser um veneno. ”

Em Corte de Névoa e Fúria, somos apresentados a diversos novos personagens e também podemos "passear" um pouco mais por Prythian e conhecer um pouquinho das outras cortes e seus Senhores. A autora aos poucos vai expandido e mostrando ao leitor toda a riqueza do mundo criado por ela, o que é uma delícia de ler. Nesse segundo volume, podemos perceber algumas críticas relacionadas a relacionamentos abusivos, violência contra mulher, preconceito, entre outros temas importantes, que são apresentados dentro da trama usando de elementos fantasiosos para representar situações reais de nossa sociedade; o que com certeza só tem a enriquecer ainda mais a história. 

Quantos aos personagens....Feyre se tornou ainda mais querida por mim. Sarah nos presenteou com uma protagonista forte, mas que tem o toque de realidade ao se quebrar com as situações vividas. A forma como a autora descreve a situação psicológica da personagem é muito real e forte, sentimos a agonia da protagonista, nos envolvemos a fundo. E a forma como foi conduzida todo o processo de "cura" pelo qual a personagem passa foi muito verídico, nada mágico ou que se resolva em duas páginas. Pelo contrário, a recuperação de traumas tão profundos requer tempo e Sarah consegue descrever tudo isso sem presar no drama nem alongar mais do que o necessário. 

Tamlin mostra uma nova faceta sua, nada agradável, talvez possa ser fruto de seus próprios demônios desenvolvidos após tudo o que enfrentou, mas não deixa de ser errado. Rhysand, o personagem que ganhou todos os holofotes desse segundo livro, se apresenta mais profundamente, deixando que os leitores conheçam cada recanto de sua alma e mente, o que só me fez ainda mais apaixonada por ele. Um personagem singular de caráter, honra e, acima de tudo, que defende aqueles que mais precisam, mesmo que para isso precise usar uma máscara que não lhe representa de forma alguma. Rhys é aquele personagem chave para a história ser um sucesso, pois cativa de imediato e mostra que nem tudo é o que parece à primeira vista. Se Tamlin é um protetor a nível patológico, Rhys é o tipo de cara que está sempre ao lado da amada, mas sem tirar suas escolhas e sua personalidade, deixando-a ser livre para viver em sua totalidade.

Sobre os personagens secundários, Lucien continua a aparecer, porém não de forma tão significativa como em Corte de Espinhos e Rosas. Em contrapartida, Nestha e Elain ganham maior foco, assim como os novos personagens que mal chegam e já estamos íntimos e apaixonados. Cassian, Azriel, Morrigan e Amren são personagens chaves para a história funcionar e fluir de forma tão agradável. 

No mais, só posso dizer que Sarah J Maas não deixou a "peteca cair", manteve o ritmo do primeiro livro e só fez melhorar no segundo volumeA a história flui muito bem, o que faz com que um livro de mais de 600 páginas seja devorado em questão de horas!

0 comentários :

Postar um comentário