Resenha: A Bela e o Chefe - Ruby Lace

Título: A Bela e o Chefe
Autor (a): Ruby Lace
Edição: 2017
Nº de páginas: 428

Editora: *publicação independente


*Resenha feita por Renata Thomaz.


Sinopse: O primeiro trabalho de Nora Maia está longe de ser o dos seus sonhos, e ainda mais longe da área profissional a qual ela almeja seguir e lutou com unhas e dentes para ingressar na faculdade, a de medicina. Em vez disso, Nora sacrificou tudo para trabalhar como governanta de um dos homens mais ricos e cobiçados do país, Átila Douglass. Mas todo sacrifício é válido para ajudar àqueles a quem ama.



Átila Douglass nasceu em berço de ouro, é um grande apreciador de bebidas e mulheres, vantagens de ser herdeiro de uma grande rede de cervejaria. Seu nome é mundialmente conhecido pela marca de qualidade Douglass. No entanto, por trás do sorriso galanteador e do bom status, se encontra um homem grosseiro e com um temperamento difícil de lidar. Ninguém foi capaz de suportar sua personalidade tempestuosa por muito tempo, com exceção dela.



Isolados em uma ilha, segredos sombrios vem à tona, assim como o sentimento avassalador entre os dois. Porém, diante de um momento difícil e perturbador, o maior sacrifício ainda será feito. Tudo, é claro, em nome do amor.

O poder em revelar a fragilidade do ser, a enfrentar seus demônios diante de obstáculos que a vida nos impõe, tornam-se difíceis de serem vencidos. E então a morte torna-se a única ferramenta viável para acabar com o sofrimento, mesmo que ela proporcione um dano irreversível.

Realmente, por muitas vezes fugimos e tentamos o caminho que achamos mais fácil para solucionar os problemas, que fazem doer a cabeça. Isso porque "Pensamentos doem, machucam", e então enfrentá-los é torna-se uma tormenta, mesmo quando não o provocamos e acabam respingando em nós e nos incluindo de alguma forma. 

E esse livro, de uma maneira  excelente, irá descrever a mente humana quando fragilizada pela dor da perda, a forma como cada um lida com essa dor enorme que arrebata e nos faz pensar que não há mais nenhuma saída. 

“ – É o seu primeiro dia na mansão Douglass? [...]
– Sim, você o conhece? – Forcei a voz num tom alto o bastante para que me escutasse através do barulho do motor e da ventania. [...] 
– O conheço o suficiente para dizer que sinto muito. – Balançou a cabeça e voltou o foco para a condução.”

Nora, ainda jovem, recebeu a responsabilidade de cuidar de sua família. Com uma mãe muito doente e irmãos pequenos, viu-se na obrigação de sustentá-los, abdicando dos seus estudos e indo trabalhar numa mansão na ilha em Angra dos Reis. 


Com a cara e a coragem, recebe as piores notícias sobre o dono da residência, uma pessoa de difícil trato e que realizava altas festas com orgias. Ela seria responsável pelos cuidados da casa, limpeza de tudo e organização, sendo, dessa forma, instruída por Marta, a cozinheira e funcionária mais antiga do local, que apenas Nora permaneceria para dormir na mansão.

Impressionada com o tamanho da mansão, procurou estabelecer rápido o conhecimento nas rotinas de trabalho, principalmente pelo fato de que seus horários deveriam ser cumpridos de forma que ficasse o menos exposta possível aos olhos do patrão. 



O Sr. Douglass é um homem muito intempestivo e que assustava a todos por sua postura arrogante. E de forma grosseira e bastante intrigante, acaba conhecendo Nora, sua nova funcionária. E como ela ainda não estava apta ao trabalho, ele quase a arrasta para seu quarto como um animal no cio. Um começo extremamente quente, para uma jovem completamente ingênua.


“Quem será essa mulher? Quem a trouxe até aqui? [...] Sempre fui claro com todas, elas sabiam que é só por uma noite, sem amarras, sem número, sem repetições.”


Sr. Douglass, um rei típico da história das mil e uma noites, vive intensamente uma noite como se fosse a última e mulher era apenas uma vez e/ou uma noite e nada mais. Vivia uma vida impulsiva, sem limites e sem respeito por si ou qualquer outra pessoa. Todas as noites, em sua mansão, eram festas de orgia e muita loucura. Até conhecer Nora.

Cada vez que os dois se encontravam, Nora demonstrava sua força e carisma perante Átila, porém ele, sem forças para lutar contra seu maior inimigo, cheio de pensamentos e lembranças de um passado sofrido, permanecia afundado num mundo negro e que, cada vez, tornava-se mais difícil retornar a vida comum e conquistar uma família.

“Fuck!
Eu estava morrendo. [...]
– Porra, Atila. Para com isso, cara! – Fui empurrado para trás, deitando de costas e batendo com a cabeça no chão.”


Átila, como toda pessoa chafurdada em qualquer vício, torna-se louco e agressivo, diz que ninguém o entende, nem pode compreender suas dores. Já não enxerga sua família, sua mãe, sua vida de empresário, deixa de ser sua fonte de energia, não consegue raciocinar de forma coerente, mesmo agarrando-se ao novo amor despertado pela força de Nora. Um amor puro, capaz de fazer com que ele torne-se também dependente dele. Mais, isso para o vicio, desperta outra coisa muito interessante, que é a mentira. Então, Atila começa a mentir e se esconder para continuar no vicio, afundando-se mais ainda. 

Por diversas vezes, senti como se estivesse lendo o diário de uma pessoa terrivelmente atormentada por seu passado e afogada em pesadelos, com fantasmas que arrastam o ser ao fundo do poço e impedindo de ver a luz do dia. 

É preciso amigos e uma família sólida, alguém em quem confiar, para ajudar a subir a tona desse poço sem fundo que é a depressão, a mágoa, a desilusão no amor, na vida. 

Algumas pessoas apanham e conseguem emergir e até criar "calos", "carcaças" que protegem a uma próxima queda, porém, outras afundam e não saem dos redemoinhos em que se colocam.

Excelente revelação, esse mundo difícil do vício, da depressão e da vitória quando se encontra pelo que lutar e se tornar outra vez um ser humano. 

Confesso que nos primeiros capítulos me senti solta, sem entender o sentido dos diálogos, mas foi bom, porque aguçou a minha curiosidade para descobrir o que realmente havia por trás de uma mente perversa e fria. 

Foi realmente uma viagem nesse mundo que não conhecia nada e ver as dores e dificuldades, o pânico do Átila (eu senti pânico), a força da Nora, tão nova e tão cheia de objetivos e metas, muito preparada para qualquer situação sem se deixar abater. Porém, quem não se acaba quando esta lidando diretamente com o problema? 

Impressionante seu livro, valeu todas as estrelas. Realmente Surpreendente. 

1. Amazon


0 comentários :

Postar um comentário