Resenha: Cicatrizes - M. F. Correa

Título: Cicatrizes
Autora: M. F. Correa
Edição: 2017
Nº de Páginas: 508
Editora: Livros Prontos


**Por RENATA THOMAZ.


Sinopse: Meu nome é Allison Davis, Tenho 27 anos, sou professora e proprietária do Studio B. Há um ano minha vida era tudo que eu queria. Conhece aquela expressão, "Bola Curva"?
Pois é, a vida me lançou uma dessas, e eu literalmente quebrei.
Aqui dançando para esquecer meus demônios, mais uma vez a vida resolve intervir, ou será que não foi o destino? 
Quando ele entra em minha vida com um sorriso lindo, olhos amendoados, uma voz que sempre me tira do prumo... Nunca imaginei que teria a capacidade de me destruir completamente. 
Ela não me conhece, mas chegou a hora de enfrentar o passado. Essa obsessão é mais forte que eu. Acontece que jamais imaginei que ela me fascinaria tanto. Como não destruir a mim e a ela?
Sou Justin Novak. Nada do que ela precisa, mas incapaz de me afastar.
Acomode-se. Bem vindo à nossa Historia.


Começo essa resenha falando da capa da obra que, ao meu ver, define muito bem o tema a ser proposto: as marcas que as bailarinas carregam não somente em seus pés, mas também em suas almas.

Allison é uma jovem, cuja vida se resume do trabalho ao Bar, e seu apartamento grande, confortável e vazio, como sua vida, que ela tenta preencher com a dança que tanto encantava a quem ela tanto amou um dia. Dona de uma academia de dança, que é seu ambiente favorito, ela encontra forças para continuar dia após dia, a sobreviver e lutar mais um pouquinho para esquecer a dor.


“Permaneço em silêncio, só olhando as fotos dos meus meninos. Ela suspira, entendendo que não vou falar sobre isso. 

– Vamos embora daqui Dani. – Peço. – Não suporto mais ficar aqui.”

Quando o curso natural da vida é a gente crescer, construir uma vida e uma família e envelhecer para ver filhos e netos construindo suas próprias vidas. Perder tudo que você construiu, demanda uma grande força de vontade em reconstruir-se. 

De certa forma, a consciência é o que marca cada um e cada postura (personalidade). Quando somos bem criados, temos consciência de fazer (praticar) o bem e ter dignidade.

Justin é um cara com personalidade construída numa base familiar amorosa e sólida. Seu pai é um homem que montou a família e esteve presente em tudo. E sua mãe, uma mulher dedicada ao amor do marido e a criação de um filho que respeita o próximo.

“[...] Em uma situação simples onde um homem conhece uma mulher, já teríamos tantos fatores envolvidos até o ponto de uma relação. Em nosso caso? Diante de tudo que ela passou e o que guardo dela, é algo impensável. [...]”

Após a morte de seu pai, Justin vê sua mãe perder todas sua energia de viver, e entregar sua vida a bebida simplesmente por não consegui pensar na vida sem a presença de quem mais amava. Entre tantas tentativas de resgatar sua mãe, e pensando no que mais é certo, Justin discute com ela e essa discussão acaba resultando numa grave tragédia.

Mas, o que o destino reserva para ele e Allison é um encontro de almas. Um resgate da vida e a possibilidade de sonhar novamente.

A obra é descrita no pequeno universo de uma academia de dança, que limita a área externa a ele num Pub e no apartamento da personagem. E são os traços propostos nesse ambiente que contribuirão na determinação dos sentimentos deprimidos, vividos pela personagem. 

O ponto forte da obra diz respeito as perdas e curvas sinuosas que a vida apresenta a Alisson e como isso se revela quanto a tomada de atitudes, ainda mais quando é tirado de sua vida tudo aquilo que te mantem de pé. A proposta da autora, assim, é mostrar a fragilidade da personagem na perda, com uma descrição que aos poucos revela o seu passado e como isso repercute no presente. Uma entrega ao vício para suportar a dor e não deixar externar a outros olhos todo ferimento que sangra na alma.

Outro ponto positivo é a forma como os personagens, Allison e Justin, tentam vencer a perda, a lidar com a fragilidade, com a dor que os envolve, sem deixar que isso afete quem está próximo a eles. 

No entanto, a quebra do presente e do passado, até que seja totalmente revelado traz um pouco de descontinuidade do texto. Amei o ambiente de suspense pelo que aconteceu com a família de Allison, mas senti falta da presença de pai, mãe, algum irmão, e até mesmo Danielle (a cunhada, próxima como uma irmã) e seus sogros, que passam uma distância. A sensação na leitura, até que tudo seja revelado, é que a culpa de toda a perda seja da própria Allison. 

No geral, esse foi um livro que tomou meu coração. Muito forte e cheio de sensibilidade. Numa narrativa em primeira pessoa, em que a autora faz a gente sofrer com a Allison, lutar com Justin e amar o casal. Uma leitura densa, que por diversas vezes tive que parar e respirar para conter a vontade de chorar. 

Indico para quem gosta de romance com uma pitada de drama.


1. Amazon


2 comentários :

  1. Lindezaaaaa ... fiquei sabendo da resenha ontem, mas o dia passou e não consegui vir ler. Mil perdões (acrescente aqui carinha chateada).
    O que dizer depois de ler suas palavras? Faltam-me palavras! Obrigada pela leitura e por essa resenha apaixonante. Espero do fundo do coração que o amor de Allie e Justin seja sempre uma lembrança carinhosa em seu coração. Bjos.
    MF CORREA

    ResponderExcluir
  2. Obrigada!
    Linda história. O casal realmente motiva e prende a nossa leitura até o fim.
    Ficamos felizes que gostou.
    Beijos.

    ResponderExcluir